Associação Europeia de Clubes detona ampliação da Copa: '32 times era perfeito'

EFE
Jamil Chade: Objetivo da Fifa é transformar o futebol no esporte mais rentável do planeta

A ECA (Associação Europeia de Clubes, na sigla em inglês) divulgou nota de repúdio nesta terça-feira contra a decisão da Fifa de ampliar a Copa do Mundo de 32 para 48 seleções, a partir da edição de 2026.

"Não compreendemos os benefícios de mudar o formato atual com 32, que ficou provado como a fórmula perfeita por todas as perspectivas", diz o texto divulgado pelo órgão, que é liderado pelo executivo-chefe do Bayern de Munique, Karl-Heinz Rummenigge.

De acordo com a ECA, a proposta foi aprovada em clima de "alta pressão política", o que teria feito com que dirigentes desprezassem os critérios esportivos na hora de avaliar a mudança.

Segundo o órgão, os processos de estudo e decisão para alterar o formato da Copa do Mundo, por ser uma "decisão tão importante", deveriam ter tido maior participação dos agentes interessados, como os clubes, por exemplo.

Jamil Chade: 'Não é apenas a Copa, mas sim a transformação do calendário internacional do futebol'

Hoje, por unanimidade, o Conselho da Fifa decidiu ampliar de 32 para 48 o número de seleções que participarão da Copa do Mundo a partir de 2026.

Serão serão 16 grupos com três integrantes, com os dois primeiros avançando de fase, que já será disputada por sistema de eliminatória.