Números escancaram agressividade de Amanda em 48s e declínio da apática Ronda

ESPN.com.br*
Família, cachaça e sertanejo: Amanda Nunes conta o que fará na volta ao Brasil

48 segundos, 47 golpes, 27 certos, 23 no rosto.

Foi assim que Amanda Nunes desenhou um verdadeiro massacre para manter o cinturão do peso-galo do UFC.

Foi esse o tempo que Ronda Rousey viu seu retorno ao octógono virar um pesadelo e transformar seu futuro em incerteza.

A rapidez do combate principal do UFC 207 chama a atenção em vários aspectos. Nunca qualquer lutadora havia conseguido nocautear Ronda em tão pouco tempo. Sua última derrota, em sua última aparição, em 15 de novembro de 2015, veio aos 59s do segundo round, em um chute absurdo de Holly Holm.

Mas outros aspectos se mostraram fundamentais: a velocidade dos golpes é algo que Amanda pode se orgulhar. Por outro lado, a norte-americana, que sempre brilhou nas finalizações, não conseguiu nem pensar em levar a brasileira para o solo e se mostrou das mais apáticas no octógono.

  • A precisão de Amanda
Morando nos EUA, Amanda Nunes espera idolatria no Brasil: 'Os dois públicos estão no meu coração'

O placar é avassalador: 27 a 7. De acordo com o site FightMetric, Amanda acertou 27 de seus 47 golpes (praticamente 1 por segundo) na adversária, um aproveitamento de 57%. Dos 27, 23, ou 85%, foram direto na cabeça da desafiante.

“Ah, dá para melhorar bastante, né? Tem que acertar mais, tem que acertar todos”, disse a brasileira, em entrevista à “Globo”.

Ronda? A americana encontrou a brasileira em 7 de suas 14 tentativas. E foi só.

Amanda chegou a 14 vitórias, sendo 10 por nocaute, e 4 derrotas em sua carreira como profissional. No UFC, são 7 triunfos e 1 revés, contra Cat Zingano, em 27 de setembro de 2014. Depois da derrota, foram cinco vitórias consecutivas.

A “Leoa” baiana também se notabilizou por não ficar muito tempo em ação: 11 das 14 vitórias foram no primeiro round, 6 delas no UFC. Ao derrubar Ronda, ela se tornou a atleta feminina que mais venceu lutas no primeiro round na história, uma à frente da americana.

O nocaute confirmou, também, uma tendência no peso-galo feminino. Todas as 10 disputas por cinturão na história da categoria terminaram antes do tempo, seja por nocaute – 5 – ou por finalização – outras 5.

  • A apatia de Ronda
Amanda acredita em aposentadoria de Ronda e diz: 'Em uma revanche, eu faria a mesma coisa'

A luta da última sexta-feira é a continuação de uma tendência descendente na carreira de Ronda. Também de acordo com FightMetric, a maioria de seus números nas duas últimas lutas, as derrotas para Holm e Amanda, escancaram uma queda em relação às seis vitórias anteriores.

Nas primeiras seis lutas de sua carreira, Ronda conseguiu 12 takedowns em 17 tentativas de levar as rivais para o chão. As 6 vitórias foram por submissão, em 9 tentativas, 66,6% de aproveitamento. Em suas últimas duas lutas, ela teve apenas um takedown em duas tentativas.

No jogo em pé, então, os números são ainda mais evidentes. Mesmo não sendo sua especialidade, somadas as primeiras seis lutas pelo UFC, Ronda tinha o placar favorável de 42 golpes certos contra as adversárias. Com Holm e Amanda, a história mudou, e o placar ficou desfavorável, com a ex-campeã sendo atingida por 38 vezes.

*Tradução livre para o português de Ricardo Zanei. O texto original, em inglês, pode ser encontrado em "Amanda Nunes retains title with TKO of Ronda Rousey".