Fã de Harry Potter e estudante de engenharia, Felipe Wu leva prata na 1ª medalha do Brasil e quebra jejum histórico

Rafael Valente, de São Paulo (SP), para o ESPN.com.br
É prata! No tiro esportivo, Felipe Wu conquista 1ª medalha do Brasil na Rio 2016

Felipe Wu já está na história do esporte brasileiro. O paulistano de 24 anos faturou a primeira medalha na Olimpíada do Rio de Janeiro, neste sábado, no tiro esportivo pistola de ar 10m. Ganhou a prata e ainda quebrou um jejum histórico. O Brasil não subia ao pódio na modalidade desde a edição da Antuérpia, em 1920.

Estudante de engenharia aeroespacial e fã de Harry Potter, o brasileiro finalizou a competição na tarde deste sábado com 202,1 pontos. O ouro foi do vietnamita Xuan Vinh Hoang, com 202,5 pontos (recorde olímpico) e o bronze foi do chinês Wei Pang, com180,4 pontos.

É a primeira vez que Felipe Wu participa dos Jogos Olímpicos, mas ele chegou bem cotado para terminar no pódio pela trajetória nos últimos anos.

Foi medalhista de ouro no último Pan-Americano, em Toronto 2015. Ganhou duas etapas da Copa do Mundo de tiro esportivo, ambas neste ano, em Bancoque (março) e Baku (junho). Também tem duas medalhas de ouro nos Jogos Sul-Americanos, em 2010 e 2014.

Até a medalha de Felipe Wu, o Brasil tinha três pódios no tiro esportivo. Todos em 1920, quando foi ouro com Guilherme Paraense na pistola rápida, prata com Afrânio da Costa na pistola livre e bronze por equipes (com Afrânio, Paraense, Sebastião Wolf, Dario Barbosa e Fernando Soledade) na pistola livre.

As medalhas conquistadas naquele ano foram as primeiras do Brasil na história dos Jogos.
Wu volta a competir nos Jogos do Rio no próximo dia 10, nas finais da pistola livre 50m.

Centro Nacional de tiro do Wu: medalha ouro no Pan, Felipe Wu treina no quintal de casa

SALTO NO RANKING E NO ESPORTE

Felipe Wu iniciou a temporada na 44ª colocação no ranking do tiro esportivo na pistola de ar 10m. Ainda jovem, poucos podiam imaginar que o paulistano subiria tão rápido.

Mesmo com o ouro e o recorde de pontos no Pan-Americano de Toronto, os olhos se voltaram para ele na etapa de Bancoque da Copa do Mundo. Ele foi o primeiro colocado com 201,9 pontos à frente do americano Will Brown e do vietnamita Hoang Xuan Vinh.

Batelli: Felipe Wu ainda pode dar muitas alegrias ao Brasil, pois tiro é um esporte 'longevo'

Depois venceu a etapa de Baku, em junho, ficando à frente do indiano Jitu Rai e do sul-coreano Jin Jong-oh - dono de cinco medalhas olímpicas, sendo três de ouro.

Meses atrás, quando questionado se subir ao pódio nos Jogos Olímpicos do Brasil seria uma responsabilidade, Felipe Wu já demonstrava estar preparado para fazer história. "Não vejo isso como uma responsabilidade, e sim como um trabalho bem feito", disse ao site do COB.

Getty Images
Felipe Wu (prata), Xuan Vinh Hoang (ouro) e Wei Pang (bronze) no tiro esportivo
Felipe Wu (prata), Xuan Vinh Hoang (ouro) e Wei Pang (bronze) no tiro esportivo

ESTUDANTE E OFICIAL DO EXÉRCITO

Estudante de engenharia aeroespacial, Felipe Wu vive da modalidade que decidiu praticar aos 8 anos. Ele é oficial do exercito, de quem recebe salários, e também um dos beneficiários do bolsa pódio.

Batelli viu vietnamita 'refugando' na última tentativa e lamenta 'tiro perfeito' que tomou ouro de Felipe Wu

O tiro esportivo entrou na vida dele por puro lazer, um incentivo dos pais. Mas só começou a levar a sério, como uma possibilidade de trilhar uma trajetória, aos 11 anos.

Chegou a treinar no quintal da própria casa e também no clube Hebraica, em São Paulo.

Desde o ano passado estuda engenharia aeroespacial na Universidade Federal do ABC, em Santo André.