Chineses chegam com caminhão de dinheiro para Gabigol só em salários: R$ 330 milhões

Diego Garcia, do ESPN.com.br
Ivan Storti/Santos FC
Gabigol está na mira do futebol chinês
Gabigol está na mira do futebol chinês

A China está realmente disposta a contar com Gabigol já na próxima janela de transferências. A prova disso é que os times do país não vão medir esforços financeiros para agradar ao atleta, com proposta, inclusive, equivalente a um caminhão de dinheiro.

Segundo apurou o ESPN.com.br, o Hebei Fortune sinalizou ao atleta que pagará R$ 330 milhões apenas em salários - sem contar luvas e premiações - para conseguir contratar o jovem jogador do Santos.

A oferta enviada ao staff do atacante inclui salários mensais de R$ 5,5 milhões por cinco anos de vínculo, o que totalizaria a quantia que se aproxima dos R$ 330 milhões.

Mesmo assim, Gabigol não se sentiu seduzido. O jogador segue dizendo aos seus representantes que só deseja se transferir a um clube de elite da Europa, conforme antecipou o ESPN.com.br.

Justamente por isso, o atleta sequer vir ouvir a procura do clube da China. A janela do mercado chinês, aliás, abre no próximo dia 21 e dura até 15 de julho.

E nem sequer as ofertas de clubes da Rússia e Ucrânia, que também fizeram sondagens sinalizando pagar quantias astronômicas para contar com a maior revelação santista depois de Neymar.

Gabigol deseja jogar somente em um dos times considerados tops do futebol europeu. O sonho, por exemplo, seria defender Barcelona, Real Madrid ou Bayern de Munique.

O atacante também possui, por meio das mãos dos seus empresários, a promessa da Fiorentina de pagar 30 milhões de euros - ou R$ 120 milhões - e do Borussia Dortmund de desembolsar 25 milhões de euros - ou R$ 100 milhões.

Mesmo assim, por enquanto, o atleta segue irredutível e prefere permanecer na Vila Belmiro.

Outro ponto que joga a favor do atleta é que o presidente Modesto Roma não quer pagar comissão a terceiros, o que vem sendo o principal obstáculo das negociações.

Representado pelos escritórios de Wagner Ribeiro e Juan Figer, Gabriel acompanha só de longe as negociações, enquanto os empresários tentam fazer o Santos assinar a comissão.

O exigido é o normal de mercado: 10% em cima do valor da negociação. O clube, contudo, não aceita pagar. Por isso, também não recebeu nenhuma proposta oficial.

Atualmente, os direitos econômicos do atacante estão divididos entre Santos, com 40%, Doyen Sports, com 20%, e ao próprio atleta, 40%.

Neste domingo, Gabigol foi eliminado da Copa América junto com a seleção brasileira, que fracassou em uma chave que tinha Peru, Equador e Haiti.