Agora pastor, Alex Silva já foi segurança, 'garçom' do irmão e escondeu terno na seleção

Vladimir Bianchini, do ESPN.com.br
Gazeta Press
Jô, Ronaldinho e Alex Silva na seleção
Jô, Ronaldinho e Alex Silva na seleção brasileira que disputou a Olimpíada de 2008

Uma das maiores alegrias de um jogador de futebol é ser convocado para a seleção brasileira. Alex Silva, conhecido como 'Pirulito', foi chamado para a disputa da Copa América de 2007, realizada na Venezuela. O zagueiro era pura felicidade, mas, ao desembarcar no aeroporto de Caracas, passou por uma situação constrangedora.

"Eu estava com peito estufado, todo empolgado e feliz da vida. Começaram a passar os jogadores mais famosos: Robinho, Love, Diego, etc. Quando foi a minha vez, uma senhorinha me puxou pelo braço e perguntou: 'Você é segurança da seleção, o Kaká veio? (risos)'", disse o jogador, atualmente no Rio Claro-SP, em entrevista ao ESPN.com.br.

"Na hora fiquei sem reação porque como atuava no São Paulo era conhecido no Brasil. Mas fora eles só conheciam os caras que jogavam na Europa. Não sabia aonde enfiar a cara", contou aos risos. Naquela campanha, o time comandado por Dunga sagrou-se campeão com uma vitória na final contra a Argentina por 3 a 0.

Além da conquista, o "Pirulito" teve outra felicidade com a camisa amarelinha: entrou para a história junto com Luisão, zagueiro do Benfica, como os primeiros irmãos juntos na seleção brasileira. Eles foram chamados para a o jogo contra o Chile, em Santiago, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2010.

Gazeta Press
Irmãos Luisão e Alex Silva na seleção brasileira
Irmãos Luisão e Alex Silva na seleção brasileira

"Colocaram a gente de parceiro de quarto. Daí ele me obrigava a pegar danone, melão e água e o tempo todo. Eu pensei que ia me dar bem, mas ele falou: 'Tenho 11 anos de seleção, você só 13 convocações, vai lá (risos)'. Na lei do futebol é assim, o mais novo sempre tem que servir o mais velho. Os caras brincaram demais comigo por causa disso", recordou.

Outra história curiosa aconteceu em uma convocação para um amistoso contra a Turquia, em Dortmund, na Alemanha.

"Cheguei para o Josué e perguntei para ele aonde tinha comprado o terno. Ele para me sacanear, falou na TNG. Fui lá, comprei um pra mim, achando que estava bonitão para a seleção. Daí eu vejo uma ‘muvuca ‘e os caras chegando", relatou.

"O Kaká me deu a mão e na etiqueta do terno estava escrito Ricardo Almeida. Pensei: 'Nossa senhora'. Daí veio Robinho e me dá a mão, era do Armani. Fui ao banheiro e arranquei minha etiqueta fora. Dai quando os caras falavam: 'Que terno ‘fera', onde você comprou? '. Respondia: 'Passei no Shopping Bourbon e peguei na Armani também (risos)'. Fui malandro, ninguém ia perceber sem a marca", divertiu-se.

Ele faz cultos no Rio Claro

Aos 31 anos, Alex Silva é zagueiro do Rio Claro no Campeonato Paulista. Mudou seus hábitos fora do campo e hoje garante estar totalmente focado em sua profissão, muito por causa a sua conversão religiosa.

Getty Images
Alex Silva na Copa América de 2007, disputada na Venezuela
Alex Silva na Copa América de 2007, na Venezuela

"Depois de alguns deslizes fora de campo,  eu me apeguei à fé. Há um ano e meio, me converti e estou me dedicando, estudando a palavra de Deus. Quero cumprir o chamado para minha vida, que seja missionário ou pastor. No clube tenho ministrado a palavra em todas as concentrações um dia antes dos jogos. Fazemos uma espécie de culto, tenho estudado muito isso", comentou.

"Eu testemunho para outras pessoas sobre a minha vida. É bem interessante, tinha uma vida totalmente diferente fora do campo, regrada de coisas do mundo. Recebi um chamado e aceitei Cristo como único salvador e tudo mudou", afirmou.

"Temos exemplos de jogadores que também são pastores como Ricardo Oliveira. Estou estudando, vai alguns anos ainda. Tem que fazer teologia e muita coisa para aprender. Precisa aprimorar muito na palavra de Deus ainda. Creio que irei me dedicar isso depois da carreira", relatou.

Com contrato até o final do estadual pela equipe do interior paulista, Alex ainda sonha em voltar aos grandes clubes do país. "Eu estou muito bem, com uma boa sequência de jogos. Agora é manter uma média boa para jogar o Campeonato Brasileiro", projetou.