Superclássico decide quem vai entrar em supercrise

Paulo Cobos, de Buenos Aires para o ESPN.com.br
Heuler Andrey / MoWA Press
Dunga Seleção Brasileira
Dunga em treino da seleção antes da viagem para Buenos Aires

Uma derrota nesta quinta-feira, às 22h (de Brasília), vai empurrar uma das duas seleções mais poderosas da América do Sul para uma crise profunda. Não só por que Argentina e Brasil, que se enfrentam no Monumental de Nuñez, ficarão, em caso de fracasso, em situação ruim na classificação das eliminatórias para a Copa de 2018, longe das quatro primeiras colocações, que garantem vaga automaticamente para o Mundial da Rússia.

Mas principalmente pelo fato que seus treinadores e jogadores, em xeque há bastante tempo, serão ainda mais questionados em caso de nova derrota.

Com só um ponto conquistado nas duas primeiras rodadas, o argentino Gerardo Martino carrega nas costas ainda a derrota na final da Copa América de 2015 para o Chile. Mas pelo menos tem uma boa desculpa para dificuldades no confonto desta quinta-feira, já que não terá os astros Messi, Aguero e Tevez. Só que uma derrota contra os brasileiros deixará o time em situação dramática nas eliminatórias, ainda mais que na próxima rodada irá enfrentar, como visitante, a Colômbia.

Nos dias que antecederam o jogo desta quinta-feira, Martino foi bombardeado por jornalistas argentinos pela falta de padrão de jogo nas duas primeiras partidas das eliminatórias: derrota em casa para o Equador e empate com o Paraguai em Assunção.

Na classificação, Dunga até tem uma situação melhor que Martino. O Brasil perdeu para o Chile na estreia, mas venceu a Venezuela na segunda rodada. Mas seu crédito é menor.

Uma derrota hoje pode até colocar sua permanência no cargo em risco. A CBF estaria sofrendo pressões de seus patrocinadores contra o estilo de jogo conservador do treinador, que ainda sofre com a sombra de Tite, que está perto de ser campeão brasileiro com o Corinthians pela segunda vez.

Seleção tem que se preocupar com cobranças de escanteio da Argentina; veja possíveis escalações

Em 2012, mesmo com a seleção numa séria de bons resultados, a CBF demitiu Mano Menezes. E o principal responsável pela queda do atual treinador do Cruzeiro foi Marco Polo del Nero, na época vice da entidade, e hoje presidente (mas que mais uma vez não irá acompanhar um jogo da seleção).

Dunga terá hoje a volta de Neymar, que, suspenso, não enfrentou Chile e Venezuela. O treiandor não anunciou quem deixa o time para a volta do astro. Dúvidas ainda no gol, entre Alisson e Jefferson, e na lateral direita, entre Danilo e Daniel Alves.

Depois do jogo contra os argentinos, o Brasil volta a campo pelas eliminatórias contra o Peru, na próxima terça-feira, em Salvador.

Bate-Bola elege os melhores de cada posição de Brasil e Argentina

FICHA TÉCNICA

ARGENTINA X BRASIL

Local: Monumental de Nuñez, em Buenos Aires (Argentina)
Data: 12 de novembro, quinta-feira
Horário: 22 horas (de Brasília)
Árbitro: Antonio Arias (Paraguai)
Assistentes: Eduardo Cardozo e Milciades Saldívar (ambos do Paraguai)

ARGENTINA: Romero; Roncaglia, Otamendi, Funes Mori e Marcos Rojo; Biglia, Mascherano e Banega; Di María, Higuaín e Lavezzi. Técnico: Gerardo Martino

BRASIL: Alisson (Jefferson); Daniel Alves (Danilo), Miranda, David Luiz e Filipe Luís; Luis Gustavo, Elias, Willian e Douglas Costa; Neymar e Ricardo Oliveira (Oscar). Técnico: Dunga