No centro de Buenos Aires, seleção chega despercebida

Paulo Cobos, de Buenos Aires, para o ESPN.com.br
Veja imagens da chegada da seleção a hotel no centro de Buenos Aires

A segurança parecia preocupada como se fosse receber estrelas esperadas por uma multidão, mas a chegada da seleção brasileira em Buenos Aires, onde enfrenta a Argentina nesta quinta-feira, passou quase despercebida pelos portenhos, mesmo com o time de Dunga se hospedando em uma área central, na região da avenida 9 de Julho, a principal da cidade.

Não chegavam a 30 fãs, a maioria brasileiros, na porta do hotel Four Seasons. O número de jornalistas era só um pouco maior. Nada de barulho de torcedores argentinos e pressão, como se o jogo que vale na disputa por uma vaga na Copa do Mundo de 2018 fosse um amistoso.

Mesmo com tão pouca gente, os seguranças do hotel, com seus ternos pretos, estavam tensos, pedindo que fotógrafos e câmeras ficassem a pelo menos 20 metros da porta por onde Neymar e companhia entraram.

O mesmo descaso que a maior parte da mídia argentina tem em relação ao jogo, pelo menos até a vespera dele. No "Clarín", o principal períodico argentino, eram nada menos do que 13 fotos de Tevez na entrega de um prêmio. E destaque menor para o jogo, e praticamente ignorando o Brasil de Dunga.

O jogo ainda chama pouca atenção pelo quente clima político argentino. No próximo dia 22, o país escolhe seu próximo presidente, com Mauricio Macri, ex-presidente do Boca Juniors, liderando as pesquisas.

Hulk, Elias, Willian e Luiz Gustavo: veja as diferenças de atuação entre clube e seleção