Relatório: SP e RS respondem por quase metade dos casos de racismo no futebol em 2014

ESPN.com.br
Gazeta Press
Aranha e Arouca foram vítima de racismo em 2014. Relatório reuniu casos no último ano
Aranha e Arouca foram vítima de racismo em 2014. Relatório reuniu casos no último ano

O Observatório da Discriminação Racial divulgou neste final de semana seu primeiro relatório sobre racismo no futebol brasileiro. Segundo o estudo, os estados do Rio Grande do Sul e São Paulo lideram as ocorrências, sendo responsáveis por quase metade dos casos acontecidos em 2014.

Para elaborar o documento, o Observatório levantou casos reportados pela mídia nacional e internacional durante o ano de 2014. Também foram incluídos episódios acontecidos fora do país e durante a Copa do Mundo, mas análise levou em conta apenas os ocorridos no futebol brasileiro.

Ao todo, foram observados 20 casos de racismo no ano, sendo cinco no Rio Grande do Sul, e outros quatro em São Paulo. Além dos dois, outros nove estados aparecem no estudo, com Paraná e Minas Gerais apresentando dois episódios cada; e Rio Grande do Norte, Sergipe, Goiás, Paraíba, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Santa Catarina, um.

Ainda segundo o relatório, do total de casos ocorridos, 19 aconteceram dentro do estádio de futebol e apenas um foi realizado através da internet/redes sociais - envolvendo o zagueiro Gil, do Corinthians, xingado em um comentário em sua conta pessoal no Instagram.

Para Antero, o racismo, no Brasil, se manifesta no dia-a-dia; veja o comentário

O Observatório da Discriminação Racial também observou em seu relatório o fim que os casos analisados tiveram. Em 14, houve alguma punição aos envolvidos; dois ainda estão em andamento; e outros quatro não tiveram informações encontradas para o estudo.

Das 20 ocorrências, sete resultaram em punição pela Federação de Futebol local (TJD); duas pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva); um pelo próprio clube; um pela empresa que o agressor trabalhava; um o infrator foi identificado e preso pela polícia; e dois ainda estão com processo em aberto.

Nos casos punidos por tribunais, foram quatro penas aplicadas: 1) apenas o pagamento de multa em dinheiro; 2) apenas perda de pontos; 3) multa em dinheiro junto com perda de campo; e 4) multa em dinheiro combinada com perda de pontos. No TJD, os valores cobrados variaram de R$ 2 mil a R$ 15 mil; no STJD, de R$ 10 mil a R$ 45 mil.

Para ver o relatório na íntegra, clique aqui.

Para Mauro, contra racismo, jogadores devem 'ir além de campanhas de marqueteiros'