Petros recebe pena de 180 dias por agressão a árbitro; Corinthians vai recorrer

Tiago Leme, do Rio de Janeiro (RJ), para o ESPN.com.br
Pena de 180 dias: Triste e decepcionado, Petros não vê justiça em punição

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) aplicou suspensão de 180 dias ao meia Petros, do Corinthians, por agressão ao árbitro Raphael Claus na vitória sobre o Santos por 1 a 0, no dia 10 de agosto, na Vila Belmiro. A decisão aconteceu por 3 votos a 2 dos auditores da Primeira Comissão Disciplinar, cabe recurso, e o clube alvinegro vai tentar a reversão da pena no Pleno.

Caso a pena seja mantida, Petros não poderá atuar pela equipe paulista pelos próximos seis meses, o que tiraria o jogador, um dos destaques do Corinthians, da atual temporada. No mesmo julgamento realizado nesta segunda-feira, no Rio de Janeiro, o Santos foi absolvido pelo copo atirado pela torcida em direção ao goleiro Cássio, e Alisson, volante da equipe, também não recebeu pena pela expulsão no jogo.

Petros foi enquadrado  no artigo 254, parágrafo 3º, do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva), que fala sobre agressão física a um membro da arbitragem. Já o Santos entrouno artigo 213, parágrafo 1º, e Alison, foi incurso no artigo 250.

O advogado do Corinthians, João Zanforlin, tentou desqualificar a agressão, dizendo que o tribunal estava transformado o que aconteceu em um ato mais grave. Petros tambpem compareceu ao julgamento no STJD, negou que tenha agredido o árbitro e destacou seu histórico limpo no futebol. Apesar das divergências na votação, a maioria do tribunal decidiu suspender o meia corintiano por 180 dias.

Proposital? Veja o lance em que Petros se choca com árbitro durante jogo entre Santos e Corinthians

Veja, abaixo, como foi o julgamento no STJD:

18h50 - Resultado do julgamento: Por maioria dos votos, 3 a 2, o meia Petros do Corinthians, está suspenso por 180 dias. Cabe recurso. Já o Santos e Alison estão absolvidos pelo STJD.

18h48 - Paulo Valed Perry, auditor presidente da 1ª Comissão Discplinar, apresenta seus argumentos no discurso e também pede a suspensão de 180 dias a Petros: "Na minha opinião, ele desvia a sua trajetória de forma intencional e existe a agressão ao árbitro."

18h42 - O auditor Douglas Blaichman acompanha o relator nas três situações: pede 180 dias de suspensão a Petros e pede a absolvição a Santos e Alison.

18h40 - O auditor Vinícius Sá também diz que não vê agressão e pede apenas um jogo de punição a Petros. ele tambpem absolve Santos e Alison,

18h36 - O auditor Washington Rodrigues acompanha o relator e pede as absolvições de Santos e de Alison. Em relação a Petros, ele pede punição de quatro jogos, desqualificando a agressão. "Se fosse um jogador ali ao invés do árbitro, acho que nós não qualificaríamos o ato como agressão. Não podemos colocar o árbitro em um pedestal como intocável. É desrespeito contra o árbitro, mas não consegui viabilizar uma agressão deliberada", afirmou,

18h30 - Depois de um longo discurso, Bevilacqua pede a Petros a pena mínima do artigo 254, parágrafo 3º, que é de 180 dias.

18h22 -  O relator Felipe Bevilacqua absolve o Santos pelo copo atirado no gramado da Vila Belmiro. Ele também decide absolver o santista Alison, que já cumpriu suspensão automática pela expulsão.

18h21 - Começa a votação dos auditores sobre as punições. 

18h18 - O advogado do Corinthians citou até a punição do uruguaio Suárez, pela mordida ao italiano Chiellini na Copa do Mundo, e lembra que a Fifa decidiu não punir o colombiano Zuñiga pela entrada em Neymar, dizendo que o árbitro não marcou nada no lance. Ele também desaprovou o fato de o árbitro Raphael Claus ter mandado uma carta de adendo à súmula no dia seguinte do jogo.

18h15 - Zanforlin: "A procuradoria transforma o Petros em um homem que ele não é, dizendo que o ato é grave". O advogado pede que o atleta seja enquadrado no artigo 258, atitude contrária à ética esportiva, que dá punição máxima de seis jogos, e completa: "Não houve agressão". 

Tiago Leme/ESPN.com.br
Acusado de agressão ao árbitro, Petros comparece ao seu julgamento no STJD
Petros comparece ao seu julgamento no STJD

 

18h11 - João Zanforlin, advogado do Corinthians, tem a palavra novamente para rebater a procuradoria.

18h09 - O advogado do Santos, Teotônio, se defende e diz que todas as medidas de segurança foram tomadas para identificar o torcedor. Além disso, pede a absolvição de Alison, que já cumpriu suspensão automática pelo cartão vermelho.

18h07 - O procurador também pede punição ao Santos peo copo atirado no gramado, dizendo que o boletimd e ocorrência demorou para ser feito.

18h06 - O procurador Willian Figueiredo fala sobre a diferença "gritante" entre as imagens e o discurso da defesa de Petros, pedindo punição ao meia do Corinthians: "A pena é dura e alta porque não se pode banalizar isso. O atleta teve conduta de agressão e isso deve ser punido".

18h02 - Agora a Procuradoria começa a se falar sobre Petros: "O árbitro foi agredido pelas costas. A prova da Procuradoria não se baseia no relato do árbitro, em sim nas imagens. "Foi uma atitude grave".

17h52 - Agora é a vez do coordenador de segurança do Santos, Willian Sérgio Alves, dar o seu depoimento. Ele fala que o torcedor que atirou o copo em campo foi identificado e o boletim de ocorrência foi feito no dia seguinte.

Para Calçade, Petros 'pirou' quando atingiu árbitro; Márcio Guédes concorda com punição

17h48 - Petros explicou que se desequilibrou no lance após levar uma "paulistinha" na coxa do santista Alison. Ele garante que, se isso não tivesse acontecido, teria recebido o passe em direção ao gol e não teria dado o encontrão com o árbitro.

17h45 - O advogado João Zanforlin pergunta a Petros se ele tocaria no árbitro caso não tivesse sido desequilibrado por Alison na jogada. O jogador do Corinthians responde: "Não".

17h40 - Com a palavra, o meia Petros: "Não existe nenhuma possibilidade e nunca haverá possibilidade contra o árbitro. É uma coisa que não condiz com meu perfil, jamais eu faria. Garanto a vocês sinceramente que não o agredi. Até porque se isso estivesse no meu pensamento, por eu ser destro, eu jamais faria com minha mão esquerda e aberta. Era muito smples pra mim ir com a mão direita ou fechada, ou com um chute".

Tiago Leme/ESPN.com.br
Petros presta depoimento durante julgamento no STJD
Petros presta depoimento durante julgamento no STJD

17h33 - A defesa do Corinthians apresenta imagens antigas de agressões a juízes de futebol.

17h27 - Uma prova de vídeo com as imagens do lance entre Petros e o árbitro é mostrada na TV. A expulsão do santista Alison também é exibida,

17h20 - O relator Felipe Bevilacqua de Souza apresenta o processo Nº 105/2014, do jogo Santos x Corinthians, realizado em 10 de agosto, pelo Campeonato Brasileiro. Ele lê uma carta do árbitro Raphael Claus que relata o lance com Petros.

17h18 - Começa o julgamento na sede do STJD, no Rio de Janeiro. O meia Petros está presente no tribunal, junto com o advogado do Corinthians João Zanforlin.

Direto do STJD, no Rio, Rubens Pozzi traz informações do caso Petros
espn na tv
Futebol
+ destaques»

Campeonato Espanhol: Barcelona x Cordoba

  • ESPN Brasil
  • Watch ESPN
Publicidade