LSD para voluntários, maconha e taxista 'ladrão': argentinos tocam o terror no Brasil

Marcus Alves, de Brasília (DF), para o ESPN.com.br
Reprodução
Foi no sufoco, mas os argentinos conseguiram se classificar; veja a reação da torcida
A caravana dos argentinos se encontra agora em Brasília

No mesmo dia em que a Argentina sofria para bater o Irã por 1 a 0 no Mineirão, em Belo Horizonte, Juan Francisco Lozada já caminhava pelas ruas de Porto Alegre. Ao cruzar com o Beira-Rio, decidiu entrar e acabou sendo flagrado por um voluntário em uma área proibida do estádio. A sua reação após ser abordado surpreendeu, então, a todos: ofereceu LSD ao funcionário da Fifa.

O episódio aconteceu no dia 21 de junho.

A quatro dias ainda do confronto com a Nigéria na capital gaúcha, portanto.

Lozada era um dos 80 mil membros da invasão protagonizada na cidade. Ao contrário de boa parte deles, não teve a chance, no entanto, de ver nenhum dos três gols marcados por Lionel Messi e companhia. O mesmo voluntário que o encontrou chamou também a Polícia Civil, que identificou com o torcedor ainda outros dois selos com três pontos de LSD, cada.

Resultado: prisão por tráfico de drogas em crime inafiançável.

Ao mesmo tempo em que chamam a atenção pelo fanatismo com que acompanham a sua seleção, os argentinos tocam o terror por onde passam.

Segundo dados obtidos pelo ESPN.com.br, somente em Porto Alegre, no período entre 12 de junho e 2 de julho, eles tiveram mais detenções do que brasileiros: 28 contra 22. A situação é praticamente a mesma em outras sedes em que estiveram.

LSD para voluntários da Fifa, disparo de rojões em Fan Fest, credenciais falsas, roubos de cerveja e até mesmo "tijolinhos de uma erva esverdeada com características de maconha": esses foram alguns dos casos envolvendo argentinos nas imediações do Beira-Rio. Houve espaço até mesmo para casos inusitados, em que um dos torcedores se rejeitou a pagar a corrida de táxi e teve a polícia acionada após chamar o motorista de "ladrão".

Polícia prende argentino suspeito de roubar ingresso para jogo no Mineirão

Foram mais de 70 voos extras em Brasília somente para o confronto das quartas de final contra a Bélgica, neste sábado, às 13h, no Estádio Nacional, em Brasília.

Esse histórico e a repercussão do ‘caso Bebote', em que um barra brava entrou na Arena Corinthians disfarçado de suíço, fizeram as autoridades brasileiras aumentarem a segurança para o jogo com 3.488 profissionais nos arredores do estádio. Parte dos torcedores foi, inclusive, ‘isolada' a 13 km do estádio e 26 km da Fan Fest, em um estacionamento com capacidade para receber até 4 mil veículos.

A preocupação dos governantes, segundo o ESPN.com.br apurou, é com a proteção da Esplanada e de como isso poderia afetar a imagem da sede do poder brasileiro.

ESPN.com.br
Texto marcus
Trecho de balanço parcial da Polícia Civil de Porto Alegre