Quatro idiomas e sem tradutor: coletiva do craque de Rússia x Coreia do Sul faz Fifa até pedir desculpas

Marcus Alves, de Cuiabá (MT), para o ESPN.com.br
Getty
Son Heung-Min durante a coletiva sem tradutor na Arena Pantanal
Son Heung-Min durante a coletiva sem tradutor na Arena Pantanal

"Não teve nenhuma tradução."

Essa foi a primeira resposta do meia sul-coreano Son Heung-Min na coletiva em que recebeu o prêmio de melhor em campo após atuar no empate de seu país contra a Rússia. A pergunta havia sido feita em russo, e o jogador do Bayer Leverkusen havia colocado o fone para compreender o questionamento.

O membro do departamento de comunicação da Fifa responsável por conduzir a coletiva deixou escapar, então: "não há tradutores?".

Não havia: todos os profissionais tinham ido embora após o fim da coletiva do técnico Hong Myung Bo. O negócio foi apelar para uma tradução improvisada.

Para cada pergunta, quase uma saga: questionamento feito em inglês. O assessor da Fifa traduzia para alemão. Heung Min respondia em alemão. O funcionária da Fifa, então, traduzia em inglês para os jornalistas. E, às vezes, o assessor da seleção coreana era obrigado a passar para o idioma local também.

Uma sopa de línguas que fez até mesmo o assessor da entidade máxima do futebol pedir - inúmeras vezes - desculpas pelo ocorrido.