Novo escândalo: contrato da CBV vale R$ 10 milhões a diretor geral e braço direito de presidente da Federação Internacional

Lúcio de Castro, especial para o ESPN.com.br

Depois de revelar na última semana a existência de uma empresa que recebe comissão da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) em cima de um contrato de patrocínio negociado diretamente entre a entidade e o Banco do Brasil (BB) e ganhando comissão posteriormente a uma venda já realizada, a série de reportagens Dossiê Vôlei mostra agora algo ainda mais surpreendente: o mesmo patrocínio, que não prevê porcentagem a nenhuma empresa por não ter intermediários na negociação, rendia comissão também para uma segunda firma.

A mesma quantia do primeiro caso. Mais R$ 10.000.000,00 (dez milhões de reais), totalizando R$ 20.000.000,00 (vinte milhões de reais) em comissões por uma venda feita diretamente. Não bastasse a duplicidade no pagamento de comissão para venda sem intermediação, a operação atípica tem outro ingrediente que chama atenção: a abertura da agência beneficiada se deu exatos três dias antes da assinatura do contrato. O Banco do Brasil, ao ser questionado sobre comissões para agências na primeira reportagem, foi taxativo: "o contrato é firmado diretamente", afirmou o BB através de sua assessoria de imprensa.

LEIA MAIS
CBV suspende contratos e diz que vai investigar gestão Ary Graça
Blog do Maurício Jahu: Foi um desrespeito a patrocinador, seleções, jogadores e clubes
Após denúncias, Murilo cobra CBV: 'É um descaso com jogadores e população

O novo caso funciona assim: dois contratos de "prestação de serviços de representação e assessoria comercial" no valor total de R$ 10.000.000,00 (dez milhões de reais) pagos pela Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) beneficiam a "S4G Gestão de Negócios". Nos documentos obtidos pela reportagem no Cartório de Saquarema, a empresa consta ser de Fábio André Dias Azevedo. Homem de confiança e ligado a Ary Graça Filho, presidente da Federação Internacional de Vôlei (FIVB).

Tamanha ligação uniu Fábio Azevedo e Ary Graça em duas frentes: como pessoa jurídica, a S4G de Fábio foi para dentro da CBV. Como pessoa física, o dono da S4G consta como "Diretor Geral" no expediente da FIVB, primeiro cargo logo abaixo de Ary Graça, que assumiu a presidência da entidade mundial em setembro de 2012, sem, no entanto, deixar oficialmente a presidência da CBV. Até ser levado para a FIVB, Fábio Azevedo era superintendente da CBV. No organograma, abaixo apenas de Ary Graça.


Na última semana, a série de reportagens "Dôssie Vôlei" aqui publicadas mostrou que outra empresa, a "SMP Logística e Serviços LTDA" também tem contrato de "prestação de serviços de representação e assessoria comercial" em modelo semelhante aos dois compromissos com a S4G. Também por dez milhões de reais em cinco anos de contrato. Assim, somando as cotas previstas para a SMP e para a S4G, a CBV prevê pagamento de R$ 20.000.000,00 (vinte milhões de reais) para estas agências em cinco anos, por comissão pelo contrato de patrocínio com o Banco do Brasil. Um repasse de vinte milhões de reais da CBV a título de "venda de patrocínio" realizado após a venda direta do patrocínio entre o BB e a CBV.

ESPN.com.br
Fábio André Dias Azevedo (esquerda) e Ary Graça Filho (direita) na mesa de reuniões da CBV
Fábio André Dias Azevedo (esquerda) e Ary Graça Filho (direita) na mesa de reuniões da FIVB

Por ocasião da reportagem que citava a relação entre a SMP e a CBV no que diz respeito a pagamentos de comissão pelo contrato com o BB, procuramos ouvir a Confederação, através da assessoria de imprensa. Não houve resposta. No mesmo dia da publicação, Marcos Pina comunicou sua saída do cargo de superintendente da CBV. Ao Jornal Nacional, da TV Globo, a CBV afirmou que "está apurando os fatos".

Para esta reportagem, novamente procuramos a CBV, que desta vez respondeu e negou que, por parte da entidade, exista tal relação. "Os contratos entre a Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e o Banco do Brasil não preveem nenhum tipo de intermediação. A CBV reafirma que jamais houve esse tipo de prestação de serviço nos seus contratos com o banco", afirmou a entidade através de sua assessoria de imprensa.

Os dois contratos da S4G Gestão de Negócios com a CBV, que totalizam dez milhões de reais, falam em comissão por "serviços prestados", entre eles "vendas de patrocínio, negociações junto às agências de publicidade, agências de promoção, anunciantes". Passaram a vigorar entre 15 de abril de 2011, indo até 30 de junho de 2017. O contrato com a SMP, objeto da reportagem na última semana, foi assinado em um domingo, 1º de janeiro de 2012, indo até o mesmo 30 de junho de 2017 dos dois contratos da S4G.

Os dois contratos com a S4G estão assim divididos: um tendo como objeto comissão sobre "entrada de recursos para a CBV nas atividades de vôlei de quadra" e outro relativo ao vôlei de praia. Pagamento anual de um milhão de reais para cada contrato, com duração de cinco anos cada, perfazendo R$ 5.000.000, 00 (cinco milhões de reais) pela comissão do contrato de vôlei de quadra e cinco milhões de reais pelo de vôlei de praia. Totalizando dez milhões de reais nesses cinco anos.

O contrato relativo a comissão paga para a S4G "nas atividades relacionadas à modalidade vôlei de praia" e o contrato assinado com a SMP tem o mesmo objeto e determinam, ambos, em sua primeira cláusula, que a CBV pague comissão "nas atividades relacionadas à modalidade vôlei de praia". Nas duas empresas beneficiadas em contrato, SMP e S4G, estão proprietários com estreita ligação com a CBV.


Fábio Dias Azevedo trabalhou oficialmente na CBV até setembro de 2010, quando já é encontrado como o principal acionista da S4G, aberta no dia 10 daquele mês como "S4G Gestão de Eventos". Poucos meses depois, no dia 12 de abril de 2011, o atualmente Diretor Geral da FIVB, abre mais dois braços da S4G, ficando a S4G com três CNPJs, sendo os outros dois "S4G Gestão de Negócios" (responsável pelos dois contratos aqui citados) e "S4G Planejamento e Marketing". Os três CNPJs da S4G tem como sede a cidade de Saquarema.

Citada no começo da reportagem, a data de abertura da "S4G Gestão de Negócios" merece atenção. Registrada em 12 de abril de 2011 no Cartório do Ofício Único de Saquarema, três dias depois, em 15 de abril, já fechava com a CBV os dois contratos no valor de R$ 5.000.000,00 (cinco milhões de reais) cada um.



O endereço do prédio que consta nos três CNPJs da S4G é também o endereço do prédio do CNPJ da AGF Assessoria e Participações, de propriedade de Ary Graça, todos em Saquarema, sede do centro de treinamento da CBV.

A "S4G Gestão de Eventos", nascida em setembro de 2010, anterior a "S4G Gestão de Negócios", também fora prodigiosa. A ponto de, no balanço financeiro de 2011/12, a CBV informar que "em dezembro de 2010 contratou a empresa S4G por notória especialização para prestação dos serviços de planejamento, produção e comercialização dos eventos de voleibol de quadra e praia". Ainda que a "notória especialização da S4G", constante na justificativa da CBV para a contratação esbarre nas datas, já que foi aberta em setembro de 2010, como consta na Receita Federal. Menos de três meses depois, em dezembro de 2010, já era contratada pela CBV por sua "notória especialização".


Questionada na primeira reportagem sobre tal relação comercial, a CBV respondeu que "A S4G é uma empresa reconhecida no mercado. Já trabalhou para outras modalidades e eventos esportivos, entre eles, os Jogos Mundiais Militares, quando foi vencedora de licitação, tanto para o vôlei como para outros esportes".

Assim como no contrato de parceria com a SMP, os contratos com a S4G também obrigam a CBV a pagar passagens, custos de transporte, hospedagem e alimentação "para atender visitas e reuniões com prospects e clientes de fora da cidade do Rio de Janeiro". No entanto, os contratos com a S4G tem, em sua cláusula sexta, algo a mais: além das comissões, pagamento mensal, "a título de remuneração fixa", de R$ 15.000,00 (quinze mil reais), reajustados pelo IGPM anualmente. Um aditivo ao contrato assegura também o pagamento de R$ 270.116,84 (duzentos e setenta mil, cento e dezesseis reais e oitenta e quatro centavos) 180 dias após a assinatura do contrato, além da comissão de um milhão, relativo a contrato de patrocínio, ao ano, nos cinco anos de duração. "Pelos serviços prestados", como está no contrato entre a CBV e a S4G Gestão de Negócios.

LEIA MAIS:
Após denúncias da ESPN, superintendente geral da CBV deixa cargo na entidade
Processos mostram privilégios em negócios com empresas de ex-dirigentes da CBV
Cartola da CBV recebeu R$ 10 milhões por 'venda de patrocínio'
Comissão de empresa de cartola do vôlei vale 32 medalhas olímpicas
Blog do Jahu: vôlei perde fora de quadra

Publicidade