Taiti só apanha, mas é única seleção que sorri na Copa das Confederações

Thiago Arantes, de Recife, para o ESPN.com.br
Getty
Jogadores do Taiti agradecem público do Maracanã após fim do jogo contra a Espanha
Jogadores do Taiti agradecem público do Maracanã após fim do jogo contra a Espanha

O Taiti, 16 gols sofridos e apenas um marcado, é a única seleção que tem motivos para sorrir na Copa das Confederações.

Passadas duas rodadas da primeira fase, oito partidas, o evento teste para a Copa do Mundo tornou-se um fardo para sete das oito equipes que o disputam. Por motivos distintos, que vão de fatores extracampo ao desempenho nos gramados, passando por premiações. E que, no caso do Brasil, são muito maiores do que a competição.

LEIA MAIS
Fifa diz que não cogita suspender Copa das Confederações em meio a protestos
Bom menino, Neymar massacra amigo 'bad boy' Balotelli na popularidade e nos milhões
Quinta de protestos encheria 16 Maracanãs e é maior que toda a Copa das Confederações

Enquanto isso, para o Taiti, tudo é festa.

Adotada pelos torcedores brasileiros, a pequena ilha da Polinésia Francesa vive no Brasil um sonho que dificilmente se repetirá. Em seu primeiro torneio fora da Oceania, a seleção comandada por Eddy Etaeta levou 6 a 1 da Nigéria, 10 a 0 da Espanha e aguarda mais um massacre contra o Uruguai, no domingo, em Recife, na despedida da competição.

Reuters
Torcida no Maracanã com bandeira do Taiti
Torcida no Maracanã com bandeira do Taiti

"Queria agradecê-los por tudo. Existem 80 mil pessoas aqui. Apesar de termos sofrido muitos gols, nosso objetivo sempre foi entrar em seus corações. Obrigado por tudo, Brasil", disse o treinador taitiano depois de ver sua equipe sofrer a maior goleada de história das competições da Fifa.

As outras seleções, todas elas, não têm motivos para sorrir.

O Brasil de Luiz Felipe Scolari tem duas vitórias em dois jogos, já está classificado para as semifinais e começou a encontrar um padrão de jogo que parecia ausente nos duelos anteriores sob o comando do técnico. Neymar voltou a jogar bem, o time ainda não levou gols e ganhou confiança. Mas não há confiança ou atuações que apaguem o momento que o país passa fora de campo.

A seleção brasileira até tentou criar uma bolha em torno de si durante os protestos que se espalharam pelo país. Não conseguiu e acabou tornando-se alvo. Além disso, no momento em que finalmente o time começou a ganhar, o que acontece em campo ficou em segundo plano.

Duas últimas campeãs mundiais, Espanha e Itália venceram seus dois primeiros jogos na Copa das Confederações, mas também tiveram problemas em solo brasileiro. Os espanhóis foram roubados no hotel em que estiveram durante a estada em Recife, segundo informação confirmada pela Fifa. Já os italianos, que trouxeram as famílias para o Brasil, assustaram-se com os protestos pelo país e comunicaram à Fifa sua preocupação com a segurança.

Getty
Com semblante sério, Xavi observa movimentação no campo do Maracanã
Semblante sério: Espanha sofreu com roubo em hotel

O meia italiano Emanuele Giaccherini revelou-se surpreso com as condições da população brasileira, apesar de ter se mostrado favorável aos protestos. "O que vi do Brasil é um país pobre, muito pobre, e que com essas manifestações durante esta competição está procurando encontrar soluções", disse.

Os espanhóis têm evitado criticar a organização da Copa das Confederações, mas já agiram nos bastidores e fizeram uma série de exigências ao hotel em que ficarão hospedados em Fortaleza, para o duelo contra a Nigéria, no domingo.

Para Japão e México, a Copa das Confederações é um fardo pelo que aconteceu dentro de campo. Os mexicanos, que estão em crise pelos resultados das Eliminatórias da Concacaf, viam no torneio uma chance de recuperar a confiança - perderam para Brasil e Itália e já não têm mais chances de alcançar a semifinal.

Já os japoneses, em que pese o ótimo jogo contra os italianos, também não conseguiram somar pontos. A derrota por 4 a 3 contr a a Itália eliminou a equipe asiática, que poderia ter deixado o jogo como uma vitória, selando a classificação para a fase semifinal.

A última rodada da Copa das Confederações terá os duelos entre Brasil e Itália, México e Japão, Espanha e Nigéria, e Uruguai e Taiti. Dentre todas as partidas, a quem tem o resultado mais certo é o confronto entre uruguaios e taitianos, em Recife.

A derrota do Taiti é barbada. Mas, ainda assim, se nada acontecer fora de campo, o time deve deixar o Brasil sorrindo. Será o único com motivos para tal.

Getty
Konno lamenta uma das tantas oportunidades desperdiçadas pelo Japão. Os erros custaram caro
Konno lamenta oportunidade perdida: erros custaram caro ao Japão na Copa das Confederações