Tempo Real

O FIM DO
SONHO
DO HEXA

Conheça a trajetória e os personagens que fizeram
parte do fim do grande sonho do hexa.

o dia em que o verde
amarelou

A lesão de Neymar parecia ser o prenúncio de uma tragédia anunciada: após entrar em campo desfalcada, a seleção brasileira sofreu um gol logo nos primeiros minutos da partida e desabou emocionalmente. Daí em diante, tornou-se uma presa fácil para a seleção alemã.

Personagens

FELIPÃO

Luiz Felipe Scolari até passou na primeira prova da convocação. Afinal de contas, a maioria das críticas era apenas em cima de Henrique, que ocupava uma vaga sem tanta importância. O problema foi depois disso. O treinador preferiu apostar mais nos momentos de folga e descontração do que nos momentos de treino. A consequência veio dentro de campo. Com um esquema de jogo ultrapassado, o time não apresentou variações táticas, sempre mostrou dificuldade no meio de campo e não soube o que fazer sem Neymar.

ZUÑIGA

Acabou vestindo a camisa de vilão antes mesmo de o Brasil ser eliminado. Em um lance desastroso, acertou uma joelhada nas costas de Neymar, fraturou uma vértebra do rival e tirou a grande esperança brasileira na Copa do Mundo.

MARCELO

Fez o primeiro gol da Copa do Mundo. Mas foi contra. Depois, até conseguiu se recuperar aos poucos no torneio, mas teve atuação desastrosa diante da Alemanha. Perdeu a bola que resultou no escanteio do primeiro gol germânico e falhou na linha de impedimento no segundo. Os gols descontrolaram o Brasil emocionalmente. Na frente, também não conseguiu resolver.

FRED

Foi o jogador brasileiro mais criticado durante toda a Copa do Mundo. Com apenas um gol em seis jogos, se despede da briga pelo título com a pior média de um centroavante brasileiro em Mundiais.

KLOSE

Não deixou o Brasil nem com o gostinho de ter o maior artilheiro da história dos Mundiais. Fez o segundo gol do massacre diante do Brasil, descontrolou completamente o emocional brasileiro e, de quebra, deixou Ronaldo para trás na lista dos artilheiros ao atingir a marca de 16 gols em copas.

OS FATOS

1.NEYMARDEPENDÊNCIA

Qualquer equipe que tenha um jogador como Neymar será dependente dele. Ok, a explicação dos integrantes da seleção brasileira quando questionados sobre a 'Neymardependência' fazia sentido. Mas faltou apresentar mais armas além do talento do atacante barcelonista. Dos 11 gols marcados pelo Brasil na Copa, 4 saíram dos pés do camisa 10.

2.LADO EMOCIONAL

A seleção brasileira deu mostras de instabilidade durante toda a Copa do Mundo. Neymar se livrou de expulsão na estreia, contra a Croácia, ao dar cotovelada em Modric. O capitão Thiago Silva, que naquele mesmo jogo chorou ao ouvir o hino nacional, repetiu as lágrimas nas oitavas de final, contra o Chile, e acabou não batendo uma das cinco cobranças da decisão por pênaltis. E ele não foi o único 'chorão' do grupo. Também teve Neymar, Júlio César...

3.TEIMOSIA DE FELIPÃO

Felipão insistiu com peças que vinham sendo questionadas e acabou 'pagando o pato'. Paulinho só saiu do time depois de a torcida no Mané Garrincha, durante o último jogo da fase de grupos, contra Camarões, praticamente enxotá-lo de campo. Fernandinho entrou no intervalo e mudou a partida. Os atacantes Hulk e Fred também receberam críticas, porém, seguiram até o final entre os titulares.

4.EXCESSO DE FOLGA

Diferentemente do período pré-Copa das Confederações-2013, desta vez Felipão pegou leve com os jogadores. No ano passado, o técnico treinou forte, acertou o time e surpreendeu levando o título na final contra a Espanha. Neste ano, optou por uma rotina mais leve, cancelou atividades com frequência, distribuiu folgas e não alcançou o principal objetivo.

5.SEM VARIAÇÃO TÁTICA

Trocas de passes envolventes, jogadas entre meias e laterais, adversários confundidos pela boa movimentação entre os homens de frente. Nada disso se viu na seleção brasileira. Oscar mais participou da marcação do que armou a equipe, e o cérebro verde-amarelo eram os zagueiros David Luiz e Thiago Silva e seus lançamentos. Além disso, Felipão não foi capaz de encontrar uma solução para a inoperância do centroavante Fred e do seu reserva, Jô.

fim da linha

Qual o maior motivo do vexame do Brasil?

  • CRÉDITOS
  • SUPERVISÃO TÉCNICA: ROBERTO VERLI
  • SUPERVISÃO DESIGN: GABRIEL GORSKI
  • CONTEÚDO: GIAN ODDI/IGOR RESENDE
  • ILUSTRAÇÕES/DESIGN/UX: PVISION