16º Campeonato Sul-Americano de Basquete Masculino

Wlamir Marques, do ESPN.com.br

ESPN
Wlamir Marques durante homenagem
Wlamir Marques durante homenagem

LOCAL: Cúcuta/Colômbia

DATA: 13 à 31/08/1955

ANO: 1955

Terminado os Jogos Pan-Americanos do México, tivemos uma pequena pausa nas atividades da seleção brasileira. No mês de Julho voltamos a nos encontrar para novos treinamentos na cidade do Rio de Janeiro.

Houve uma nova convocação para o Campeonato Sul-Americano contando com novos jogadores, mas com a presença de alguns mais experientes. Era a minha 4ª participação aos 18 anos e já com boa experiencia internacional. 

Esse campeonato Sul-Americano foi disputado de forma simultânea com o 1º campeonato Sul-Americano juvenil. Eu tinha idade para disputar o juvenil, mas a CBB e o técnico optaram pela minha presença na seleção adulta.

Para essa competição a CBB indicou para nosso técnico um ex medalhista e atleta olímpico de 1948, Sr. Ruy de Freitas e, o Cel. José Simões Henriques para a seleção juvenil. Se pudesse eu disputaria os dois, mas fui impedido.

Wlamir Marques, 80 anos: veja a homenagem a um dos maiores nomes da história do basquete mundial


Dessa vez os nossos treinamentos foram realizados em período mais curto, quando mais uma vez ficamos concentrados no Hotel Paisandú. Ate então eu fui dirigido por 3 técnicos na seleção, cada qual com ideias diferentes.

Como podem observar, as seleções não eram permanentes, sempre alguns nomes despontavam no cenário nacional e sempre eram chamados para os treinamentos. A partir dali é que começamos a despontar mundialmente. 

Ao final dos treinamentos a nossa viagem foi programada à partir do Rio de Janeiro com destino à Lima/Peru com a Varig. De Lima para Bogotá com a Avianca. Pernoitamos em Bogotá para no dia seguinte seguirmos para Cúcuta.

Ginásio do Parque São Jorge será renomeado para homenagear Wlamir Marques


Foi uma viagem muito cansativa com aviões ainda movidos à hélices. Mais tarde vieram os jatos. Chegando em Cúcuta fomos alojados em um hospital desativado junto com todas as delegações. As camas eram todas dobráveis.

Nos alimentávamos nas dependências do hospital, estranhando como sempre os exagerados temperos típicos da região. Pouco saíamos para os passeios, algumas vezes íamos à San Cristóbal, na divisa com a Venezuela.

16º CAMPEONATO SUL-AMERICANO MASCULINO

1- Brasil- 2- Chile- 3- Colômbia- 4- Equador- 5- Paraguai- 6- Argentina- 7- Uruguai- 8- Peru- 9 Venezuela.

RESULTADOS DO BRASIL: 

Brasil 42 x 38 Chile
Brasil 84 x 60 Colômbia
Brasil 57 x 40 Equador
Brasil 43 x 50 Paraguai
Brasil 63 x 45 Argentina
Brasil 48 x 61 Uruguai
Brasil 74 x 55 Peru
Brasil 86 x 41 Venezuela

CLASSIFICAÇÃO FINAL:

1º- Uruguai
2º- Paraguai
3º- Brasil
4º- Argentina
5º- Peru
6º- Chile
7º- Equador
8º- Colômbia
9º- Venezuela

SELEÇÃO BRASILEIRA:

Almir (Fluminense)- 25 pontos
Angelim (Corinthians)- 42 pontos
Arnaldo (Fluminense)- 04 pontos
Peninha (Corinthians)- 16 pontos
Gedeão (Flamengo)- 75 pontos
Olivieri (Pinheiros)- 57 pontos
Zézinho (Tijuca)- 07 pontos
Otto Nobrega (Flamengo)- 19 pontos
Pecente (Piracicaba)- 27 pontos
Vinagre (Tijuca)- 17 pontos
Algodão- (Flamengo)- 84 pontos
Wlamir (Piracicaba)- 124 pontos. 

Apesar do 3º lugar, a partir dali o Brasil passou a dominar o basquetebol na América do Sul. Em 1958, o Sul-Americano foi realizado em Santiago do Chile com o Brasil saindo campeão. Depois disputei mais 3 e vencemos todos. (1959)- Córdoba/Arg. (1961)- Rio de Janeiro- (1963)- Lima/Peru.

Segundo Jogos Pan-Americanos - Resultados

Wlamir Marques, do ESPN.com.br

Gazeta Press
Wlamir Marques (à esq.), atuando pelo Corinthians no Campeonato Paulista de 1969
Wlamir Marques (à esq.), atuando pelo Corinthians no Campeonato Paulista de 1969



BASQUETEBOL MASCULINO: Resultados

PAÍSES PARTICIPANTES: 6

1- Argentina
2- Brasil
3- Cuba
4- Estados Unidos
5- México
6- Venezuela

JOGOS DO BRASIL:

Brasil 49 X 78 Estados Unidos
Brasil 86 X 44 Venezuela
Brasil 95 X 69 Cuba
Brasil 61 X 57 Argentina
Brasil 65 X 59 México 

SELEÇÃO BRASILEIRA: 

Almir ( Fluminense)- 42 PTS.
Amaury (C.R. Tietê)- 57 PTS.
Marino (Campinas)- 3 PTS
Edson Bispo- (Vasco da Gama)-21 PTS
Leonardo (Minas T.C.)- 20 PTS.
Mayr (Ponta Grossa)- 45 PTS.
Moacir (Flamengo)- 8 PTS.
Pecente (Piracicaba)- 26 PTS.
Willy (S.J.dos Campos)- 4 PTS.
Bombarda (S.J. dos Campos)- 31 PTS.
Algodão (Flamengo)- 35 PTS.
Wlamir (Piracicaba)- 64 PTS.

COLOCAÇÃO FINAL:

1º- Estados Unidos
2º- Argentina
3º- Brasil
4º- México
5º- Cuba
6º- Venezuela

Houve empate na 1ª colocação entre os Estados Unidos, Brasil e Argentina, sendo decidido no saldo de pontos. Brasil perdeu para os Estados Unidos, Argentina venceu os Estados Unidos e o Brasil venceu a Argentina.

O grande feito da seleção brasileira foi ter vencido a seleção Argentina (65x59) com seus campeões mundiais de 1950. Foi a grande surpresa dos jogos com a torcida mexicana torcendo muito pela vitória brasileira.

Segundo Jogos Pan-Americanos - viagem para o México

Wlamir Marques, do ESPN.com.br

Reprodução ESPN
Wlamir Marques é homenageado pelo Corinthians
Wlamir Marques é homenageado pelo Corinthians



Data dos Jogos: 12 à 26 de Março de 1955

Países presentes: 21

Número de atletas participantes: 2.583

Atletas do Brasil: 135

Por questões financeiras não viajamos em aviões de carreira. A FAB (Força Aérea Brasileira) cedeu ao COB 3 aviões (C47) para o transporte da sua delegação com 135 atletas e mais dirigentes rumo à cidade do México.

Esse tipo de avião foi utilizado pelos paraquedistas por ocasião da 2ª guerra mundial, com assentos laterias e de madeira. A delegação foi dividida nos 3 aviões, com autonomia de voo à cada 3 horas e impedidos de voos à noite.

Início da viagem: 05/03/55- saindo do Rio de Janeiro

Dia 05/03
1ª escala: Bom Jesús da lapa (Baia)
2ª escala: Carolina (Maranhão)
3ª escala: Belém (Pará)- 1º pernoite

Dia 06/03
4ª escala: Cayena (Guiana Francesa)
5ª escala: Georgetown (Guiana Inglesa)
6ª escala: Trinidad/Tobago- 2º pernoite

Dia 07/03
7ª escala: Ilha de Barbados
8ª escala: Ilha da Martinica
9ª escala: San Juan ( Porto Rico)- 3º pernoite

Dia 08/03
10ª escala: Guantánamo (Cuba)
11ª escala: Santiago de Cuba (Cuba)
12ª escala: Havana (Cuba)- 4º pernoite

Dia 09/03
13ª escala: Mérida (México)
14ª escala: Vera Cruz (México)
15ª escala: Cidade do México (Final)

Como se observa foram 5 dias de viagem, 4 pernoites e inúmeras horas de voo. Viagem por demais cansativa, com noites mal dormidas e alimentação prejudicada. Nos voos deitavamos no chão do avião, melhorava o conforto.

Chegamos ao México com 3 dias de antecedência para nos adaptarmos à altitude da cidade (2.235 mts). No inicío sentimos muito o ar rarefeito, os treinamentos foram cansativos, mas em 2 dias nos adaptamos ao clima.

A seguir contarei detalhes sobre a competição e a nossa participação. Como já foi dito acima, foi uma seleção renovada dando inicio a uma nova fase do basquetebol brasileiro. Saímos 3ºs colocados mas com ótima participação.

Convém lembrar que o nosso retorno ao Brasil aconteceu da mesma forma. Não estranhamos, já estavamos acostumados e preparados para a grande viagem. Inédita e ao mesmo tempo apaixonante. Repetiria tudo de novo!

Segundo Jogos Pan-Americanos - continuação dos treinamentos

Wlamir Marques, blogueiro do ESPN.com.br

GazetaPress
Wlamir conversa com as crianças do Corinthians, em 1977
Wlamir conversa com as crianças do Corinthians, em 1977

Como já foi dito em texto anterior, treinávamos duas vezes por dia na quadra externa de cimento do Forte Copacabana e, em caso de chuva no ginásio do C.R.Flamengo. Alguns novos e jovens jogadores foram convocados.

Entretanto, aconteceu um empecilho prejudicando em muito toda a nossa preparação. O técnico Kanela sofreu um acidente de automóvel, sendo obrigado a deixar o comando da seleção. Como já disse, o Simões assumiu.

Nesse espaço de tempo ficamos parados por uma semana até a CBB decidir sobre a sua substituição. Desde o momento em que o Simões assumiu, passamos a treinar novamente de forma regular com novos conceitos.

É importante dizer que recebemos do Forte Copacabana um tratamento diferenciado, quando o prestígio da seleção brasileira era altíssimo em função do vice campeonato mundial alcançado a alguns meses atrás no Rio.

Nada nos faltava, eramos muito respeitados pelos soldados e oficiais, além de recebermos uma ótima alimentação, preparada especialmente para os nossos atletas. Convivemos ali grandes momentos de harmonia e amizade.

Como de praxe, o técnico Simões realizou alguns cortes e a seleção passou a contar apenas com 12 jogadores. Não era a mesma seleção vice campeã do mundo, alguns nomes começavam a despontar no cenário nacional.

Antes de seguirmos para o México, realizamos alguns jogos amistosos pelo país, afinal era uma nova seleção precisando ser testada. Eu ainda estava com 17 anos, era titular e jogador de confiança do meu técnico Simões. 

Wlamir Marques, 80 anos: veja a homenagem a um dos maiores nomes da história do basquete mundial

 Estávamos prontos para a competição, apenas restava-nos viajar para a cidade do México. À seguir farei o relato de uma incrível viagem, inédita e inesquecível, jamais vista ou igualada nos meios desportivos desse país

2º Jogos Panamericanos - 1955 - México

Wlamir Marques, do ESPN.com.br

GazetaPress
Wlamir Marques em sua sala de troféus em 20 anos depois, em 1975
Wlamir Marques em sua sala de troféus em 20 anos depois, em 1975

CONVOCAÇÃO:  Janeiro de 1955

Terminado o 2º campeonato mundial realizado na cidade do Rio de Janeiro (1954), quando fomos vice campeões do mundo pela primeira vez, retornei à São Vicente e à Piracicaba para algumas importantes homenagens.

Convém dizer que esse vice campeonato mundial foi a porta de entrada para a renovação do basquetebol masculino no Brasil. Uma conquista muito valorizada pela imprensa e pelos aficionados da modalidade.

Era normal sermos homenageados por onde passavamos. Sem TV os nossos nomes eram citados diariamente nos jornais, rádios e revistas, até então, propagadores dos nossos feitos com transmissões ao vivo.

A seleção brasileira masculina de basquetebol passou a ser um orgulho nacional, trazendo para o país uma brilhante conquista mundial. Claro que o futebol sempre foi preferencial, mas o basquete teve a sua vez.

Wlamir Marques, 80 anos: veja a homenagem a um dos maiores nomes da história do basquete mundial

Após várias homenagens a seleção brasileira foi novamente convocada, dessa vez para participar dos 2ºs Jogos Panamericanos na cidade do México. Voltamos ao Rio de Janeiro para inicio dos nossos treinamentos.

Passamos as festas de final de ano em nossas casas, para no inicio de Janeiro de 1955 nos encontrarmos novamente no Hotel Paissandú; local de encontro das nossas apresentações. Ficamos ali alguns poucos dias.

A nossa concentração dessa vez foi marcada para o Forte Copacabana, local muito aprazível, com acesso às praias de Copacabana e Ipanema. Treinávamos em quadra aberta de cimento ou no ginásio do Flamengo.

O técnico Kanela foi mais uma vez o técnico indicado pela CBB. Iniciamos os treinamentos sob o seu comando, mas um acidente automobilistico o afastou desse compromisso, dando vez ao Cel. José Simões Henriques.

O Simões já era meu conhecido e foi ele quem me lançou pela primeira vez na seleção brasileira (Mendoza). Devo muito a ele por acreditar em mim com apenas 16 anos de idade. Foi um ótimo técnico e um grande amigo.

mais postsLoading