Wanderlei de Oliveira

Wanderlei de Oliveira

O corredor e jornalista Wanderlei de Oliveira iniciou no atletismo em 1966 e já percorreu mais de 100 mil quilômetros. Pioneiro no Brasil em levar atletas para as maratonas de Nova York, Paris, Roterdã, Berlim e Comrades na África do Sul, desde 1982 quando ajudou a criar a CORPORE - Corredores Paulistas Reunidos

Corrida Internacional de São Silvestre

ESPN.com.br
Sérgio Shibuya
Corrida Internacional de São Silvestre - largada Avenida Paulista
Corrida Internacional de São Silvestre - largada Avenida Paulista

Na próxima segunda-feira, dia 22, às 23h29, inícia a Primavera. A estação mais florida e a época mais esperada pelos corredores. Tanto os que praticam a corrida como forma de lazer e qualidade de vida, como os profissionais, por fazê-los lembrar que faltam apenas três meses para a corrida mais importante da América Latina, a São Silvestre.

Este ano, a edição especial de número 90. A prova criada pelo jornalista Cásper Libero, em 1924, que se inspirou em uma corrida na França, onde os atletas corriam com tochas de fogo, é o maior desafio e motivo de orgulho para todo brasileiro que consegue no dia 31 de dezembro, completar os 15 quilômetros de pura emoção. 

É hora de dar mais importância a preparação para não fazer feio na hora H e ter que pedir ajuda ao Santo do dia.
Refazer os exames médicos para ver se tudo esta em ordem, é o primeiro passo. Somente com a liberação do médico que se deve iniciar a preparação para a prova.

Veja a seguir o que não pode faltar.

Avaliação bioquímica (hemograma completo, glicose, ferritina, ácido úrico, colesterol e frações, urina tipo 1 e parasitológico) - É necessário não somente saber se você está com alguma deficiência vitamínica, mas também diagnosticar casos de colesterol alto, diabetes, anemia e outros problemas que requerem maiores cuidados.

Check-up dentário - Ao se submeter ao programa de treinamento, você vai estar utilizando todas as suas reservas. Sendo assim, qualquer tipo de infecção, por menor que seja, pode ter seu quadro agravado.

Teste de potência aeróbia/anaeróbia ou ergoespirométrico (corrida em esteira ergométrica com monitoração da freqüência cardíaca) - Além de detectar se há alguma anomalia cardíaca durante o esforço físico, o que vai determinar não só se você está apto a correr a São Silvestre mas também se tem condições de praticar uma atividade física, é esse teste que vai dizer a quanto por cento da sua freqüência cardíaca você deve estar treinando.

Avaliação nutricional - Checar os hábitos alimentares e adequá-los às novas necessidades calórica impostas pela carga e volume de treinamento são providências mais do que bem-vindas.

Avaliação ortopédica - Dor ciática, anormalidades na coluna, obesidade, má postura, lesões antigas nos meniscos ou nos ligamentos ou até mesmo um formigamento são algumas pistas que podem levar o ortopedista a detectar problemas que podem se agravar quando colocados à prova.

Twitter @wander_olive

 

Maratona de Berlim, a prova dos recordes mundiais!

ESPN Brasil
Fernanda Paradizo / Berlim Marathon
Maratona de Berlim - Wilson Kipsang na liderança desde a largada
Maratona de Berlim - Wilson Kipsang na liderança desde a largada

No domingo, dia 28, na cidade de Berlim, Alemanhã, será disputada a quadragésima primeira edição da maratona mais rápida dos últimos anos. No ano passado, 41.120 corredores de 119 países e mais de 1 milhão de torcedores nas ruas da capital. O atleta do Quênia Wilson Kipsang, de 31 anos, realizou o sonho de se tornar o recordista mundial dos 42.195 metros, com 2 horas 03 minutos e 23 segundos. "Eu ainda acho que tenho potencial para correr mais rápido", comentou Kipsang ao final da prova. Esse foi o oitavo recorde mundial em 15 anos. Em 2011, Patrick Makau, aos 26 anos, atleta do Quênia, corria para 2h03min38seg, com parciais de 1h01min44seg nos 21 km. A média foi de 2min55 por quilômetro, com passagens de 29min10, nos 10 km. Já Wilson Kipsang, com parciais de 14min33seg nos 5 km, 29min16seg nos 10 km e 1h01min32seg. A segunda parcial para os 21 km foi de 1h01min51seg.

Entre as mulheres, a vencedora, também do Quênia, Florence Kiplagat, finalizou com 2 horas 21 minutos e 13 segundos.

No ano de 1998, o brasileiro Ronaldo da Costa vencia a Maratona de Belim com o tempo de 2h06min05seg com direito a cambalhota na linha de chegada. Essa imagem foi destaque nos documentários internacionais. Ronaldo, foi o primeiro atleta a correr a maratona em uma velocidade média superior aos 20 quilômetros por hora.

Fernanda Paradizo / Berlim Marathon
Maratona de Berlim - Wilson Kipsang recordista mundial
Maratona de Berlim - Wilson Kipsang recordista mundial

O queniano Paul Tergat, aos 33 anos, em 2003, estabelecia novo resultado com 2h04min55seg. No ano de 2007, com 2h04min26seg, foi a vez do etíope Haile Gebrselassie, que pela primeira vez na história das maratonas, melhorou o resultado para 2h03min59; no mesmo local, em 2008, aos 35 anos, com parciais de 1h02min04seg e 1h01min55seg, ou seja, apenas 9 segundos mais rápido na segunda metade (split negativo).

Em 1999, estive em Berlim para acompanhar a performance da queniana Tegla Loroupe que venceu a prova com 2h20min43seg.

Twitter @wander_olive

Maratona Pão de Açúcar de Revezamento

ESPN Brasil
Divulgação - Grupo Pão de Açúcar
Maratona Pão de Açúcar de Revezamento
Maratona Pão de Açúcar de Revezamento

A 22ª edição da Maratona Pão de Açúcar de Revezamento, será realizada no domingo dia 21, com largada às 7 horas da manhã, no Obelisco do Parque do Ibirapuera. A primeira edição da prova aconteceu em 1993, quando pouco mais de 1000 atletas se reuniram para revezar a distância de 42.195 metros, divididos em equipes de 2, 4 e 8 pessoas. Com o passar dos anos, a prova foi crescendo e hoje é o evento que reúne a maior quantidade de corredores no país, principalmente estreantes, que enxergam no evento uma oportunidade para dar seus primeiros passos nas competições.

Origem dos revezamentos

Conhecidos internacionalmente como ekidens, os revezamentos surgiram nos países do oriente no século 18, mais especificamente no Japão, e de lá se espalharam para o mundo. Em 1992, a IAAF (sigla em inglês da Federação Internacional de Atletismo Amador) criou o I Campeonato Mundial de Revezamento, que reúne a cada dois anos os seis principais atletas de cada país para disputar o título mundial de seleções. Aqui no Brasil, o primeiro evento realizado nos mesmos padrões dos populares ekidens japoneses provavelmente ocorreu em 1926, quando um grupo de corredores se organizou para percorrer a distância entre São Paulo e Rio de Janeiro e chegar ao Palácio do Catete no momento da posse do presidente Washington Luís.

Dicas para participar de um revezamento

Os números de identificação - Cada integrante da equipe recebe um número de peito, que deve ser fixado à camisa para identificar não só a equipe a que pertence, mas também a ordem no revezamento. Uma munhequeira com chip de cronometragem, que todos os atletas devem usá-la no pulso direito. E, também um chip de cronometragem de tênis, que deverá ser aplicado no cadarço do pé direito do último atleta a correr pela equipe.

O posicionamento para a largada - Só devem se posicionar na largada os atletas número 1 das equipes, que também devem carregar a munhequeira com chip para ser transportada por cada um dos integrantes.

Os postos de controle - Um atleta só pode iniciar sua etapa quando o anterior chegar ao posto de controle e passar a munhequeira com chip de identificação. Esse procedimento é repetido em todos os postos de troca, sempre obedecendo à ordem do revezamento. Esteja com antecedência no seu posto de troca para que seu colega de equipe não fique esperando. O ideal é calcular mais ou menos o tempo de cada integrante para não ter surpresas e não atrapalhar o andamento da equipe.

Cruzando a linha de chegada - O último atleta a receber a munhequeira de cronometragem deve estar com o chip de tênis já fixado no cadarço do pé direito. Sua missão será levar a munhequeira até a chegada.

O prêmio final - Todas as equipes que terminarem o percurso no tempo-limite de prova recebem medalhas ao final.

* Participação especial de Fernanda Paradizo, jornalista e fotógrafa especializada em corrida e triathlon, já correu nove maratonas internacionais e seu melhor resultado foi obtido na Maratona de Paris de 1998 (3h37min53s).

Foto de chegada da equipe número 1 (nossa última participação), formada por Marilson Gomes dos Santos, Vanderlei Cordeiro de Lima, Franck Caldeira, Adriano Bastos, Marcos Paulo Reis, Márcio Milan, João Paulo Diniz e eu.

Twitter @wander_olive

Tênis minimalistas, com ou sem?

ESPN.com.br
Wanderlei Oliveira
Tênis minimalistas, com ou sem?
Tênis minimalistas, com ou sem?

O texto que ilustra este post, é do meu amigo e companheiro de treinos e provas, Sérgio Rocha, 42 anos, editor do Corrida no Ar, um canal do YouTube e portal de corridas de rua (www.corridanoar.com.br). Ele corre com tênis minimalistas e também adora correr descalço. Todos seu melhores resultados pessoais vieram depois de ter se adaptado a correr com tênis minimalistas.

Engana-se quem comprou um tênis minimalista e acha que é só calçar e sair correndo. A técnica de corrida precisa ser aprimorada para que você colha benefícios e não lesões.

Ultimamente ficou mais fácil adquirir tênis mais flexíveis e com drops mais baixos (diferença de altura entre a parte de trás para a da frente do caçado). No entanto, é preciso tomar alguns cuidados para não ter mais decepções do que alegrias, especialmente usar a técnica correta para se correr com esses tênis, chamada de natural. Se você conseguir dominá-la, só terá benefícios.

Um fator que influenciou muito essa mudança no mercado foi o livro "Nascido para Correr", do jornalista norte-americano Christopher McDougall (editora Globo, R$ 50; 383 pags.). O livro tem um capítulo que questiona a funcionalidade do amortecimento nos tênis de corrida modernos e fez com que várias pessoas, por todo o mundo, passassem a repensar o jeito de correr e optassem por correr descalças, com tênis ultra-minimalistas ou com sandálias tipo huarache. Mas é claro que a indústria do running se mexeu e passou a oferecer tênis menos estruturados.

O QUE É UM TÊNIS ULTRA-MINIMALISTA?
Antes de irmos à técnica, vamos falar sobre alguns conceitos de tênis. Os ultra-minimalistas são aqueles que interferem o mínimo no movimento natural dos pés. Para que isso aconteça, ele tem que apresentar algumas características:
1) "Drop zero". Ausência de diferença entre a altura do calcanhar e a frente dos pés para que não interfira na postura do corredor.
2) Flexibilidade. O tênis deve ser flexível a ponto de se poder "enrolá-lo" com a mão.
3) Forma larga. Principalmente na parte da frente dos pés para que os dedos não fiquem comprimidos e possam se mexer livremente.
4) Quase nada ou nenhum amortecimento. Porque descalço você não tem proteção alguma, então se tiver, que seja apenas uma proteção.
5) Não ter suporte medial. O arco dos pés precisa se movimentar livremente.
6) Leveza. Precisa ser leve, a ponto de quase não senti-lo.

Exemplos de tênis ultra-mínimos: Vibram Five Fingers, Saucony Hattori, série EVO da Mizuno, a série Minimus da New Balance. Go Bionic da Skechers e sandálias huarache.

Já os tênis minimalistas são aqueles que tem em sua construção elementos dos ultra-minimalistas, como drop reduzido ou pouco amortecimento. Exemplos: Série Nike Free, Saucony Kinvara, Série GoRun da Skechers, série 33 da Asics e vários modelos de competição.

A TÉCNICA NATURAL.
É chamada de natural pois é a usada quando se corre descalço da forma correta - primeiro contato no chão com o antepé e depois com o calcanhar. É importante destacar que a cautela deve reger a adaptação aos calçados minimalistas. O principal erro é começar já correndo 10 km, ficar todo dolorido no dia seguinte e colocar a culpa no tênis. As primeiras corridas devem ser curtas, até para que se entenda como funciona correr com um tênis basicamente sem amortecimento. A técnica natural pode ser resumida basicamente em três pontos - postura, cadência e relaxamento.

1) POSTURA. Deve-se permanecer com a postura ereta e o corpo todo deve se inclinar para a frente, e não só o torço.
2) CADÊNCIA. É o número de passos que o corredor executa durante a corrida e, no caso, faz-se a medição por minuto. A cadência de sua corrida deve ser igual ou superior a 180 passos por minuto. Para facilitar, conte os passos de uma das pernas por 30 segundos. Se a soma for igual ou maior que 45, você estará no caminho certo.
3) RELAXAMENTO. Para a técnica funcionar é necessário deixar o corpo relaxado, como qualquer corredor experiente sabe, para que não apareçam dores em locais que normalmente não deveriam estar incomodando. A máxima de "ouvir" o corpo é o melhor mantra para a técnica natural de corrida.

E AS LESÕES?
Apesar de muitos defensores da corrida natural ou descalça falarem que têm menos lesões do que os corredores "calçados", ninguém está imune a elas. As lesões mais comuns são fraturas no metatarso (por bater os pés com força demais no chão) e a "dor no topo do pé" (uma espécie de pontada no peito do pé), que em geral é associada ao aumento de volume de quilometragem sem critérios ou paciência.

Na maioria das vezes, os que se queixam de lesões são os corredores na fase de transição - é muito raro ouvir falar de corredores mais experientes com essa técnica que tenham se lesionado por algum desses motivos. A estratégia de ser cuidadoso com a adaptação deu certo com todos os treinados pelos técnicos consultados por mim e ninguém sofreu lesões decorrentes do uso dos ultra-minimalistas.

BENEFÍCIOS PARA TODOS.
Mesmo que você não queira largar o seu tênis de corrida, os tênis super-minimalistas podem ser uma boa forma de fortalecer seus pés e estimular de forma mais abrangente a musculatura das pernas. Fazer esse período de transição nos dias de treino leve ou de pequenas distâncias, como um trote de 6 km, por exemplo, é uma boa ideia. Você pode substituir o tênis pelos "ultras" no último km dos seus treinos e aumentar gradualmente até se sentir seguro para fazer o treino completo com eles.

Atletas de pista

Hoje, após o treino intervalado de 400 metros na pista, fiz um "footing na relva", de 10 minutos (correndo descalço). Desde a infância, quando iniciei no atletismo, meu técnico, orientava para "soltar" no gramado, logo após os treinos mais intensos. Além de relaxar, massageia a musculatura correr no gramado por alguns minutos.

Twitter @wander_olive

 

Respeito aos Idosos

ESPN.com.br
Wanderlei Oliveira
Oswaldo Silveira, 84 anos, campeão da Maratona de Nova York (3h59)
Oswaldo Silveira, 84 anos, campeão da Maratona de Nova York (3h59)

Muitos já ouviram falar do estatuto do idoso e na criação de benefícios para os mesmos. Será que isso acontece?

É sabido que o Brasil já não é um país tão jovem, como há alguns anos. Hoje nas corridas de rua, se concentra um grande público nas categorias acima dos 60 anos, pessoas entusiasmadas que chegam a viajar por várias horas de ônibus ou de carro pelo simples prazer de participar do evento, ou mesmo pelo turismo e oportunidade de conhecer outras cidades e pessoas. Pacientes, após as provas, esperam a sua vez na hora da premiação, que sempre começam pelas categorias juvenis.

Em competições com mais de 5 mil participantes, haja paciência!

Os organizadores dos eventos esportivos, em respeito aos idosos, poderiam começar a premiação pela categoria dos 60 anos. Não existe nada na regra que impeça tal procedimento. É uma questão de respeito e valorização por quem já fez muito, e continua fazendo, levando alegria, saúde e exemplo de vida, participando das competições.

Segundo dados estatísticos, hoje em São Paulo são mais de um milhão de idosos. Nos próximos dez anos serão mais de dois milhões e superará o número de jovens.
Os anos passam rápido, o que você faz para chegar na melhor idade com a mesma disposição e jovialidade?
Pense nisso, você também será um idoso.
Por respeito e valorização, nas próximas corridas: - primeiro os idosos.

Twitter @wander_olive

 

mais postsLoading
Publicidade
Alertas
Não perca nada do que está acontecendo no mundo do esporte!Com o ESPN ALERTAS, você receberá notificações no seu navegador sobre as últimas notícias, eventos exclusivos e muito mais!