NBA lança álbum de figurinhas no Brasil

ESPN.com.br
Divulgação
Álbum de figurinhas da NBA
Álbum de figurinhas da NBA

A NBA e a PANINI, líder mundial em colecionáveis, lançam
nesta sexta-feira o Livro Ilustrado Oficial NBA 2017-2018, álbum que
vai trazer uma coleção exclusiva de figurinhas das 30 franquias e dos
principais astros da liga - cada equipe estará representada em páginas duplas
com imagens dos atletas, logos e uniformes oficiais, além de estatísticas da
última temporada (2016-2017). No livro, espaço também para o Draft, destaques
individuais do ano, como o ‘MVP’ (Jogador Mais Valioso) da última temporada,
memória da rodada especial de Natal, o All-Star Game realizado em New Orleans,
e os momentos mais decisivos da temporada, como Playoffs e Finais.

Ao todo, são 435 cromos adesivos, sendo 99 deles especiais e, além das figurinhas, os fãs vão encontrar curiosidades, estatísticas, relembrar os grandes momentos da temporada passada, ter informações sobre os ídolos e muito mais. O produto terá distribuição nacional, disponível nas principais bancas do país, nas três unidades da NBA Store (BarraShopping- /RJ, Shopping Dom Pedro-Campinas/SP e Mogi Shopping-Mogi das Cruzes/SP) e no site da Panini (loja.panini.com.br) com preço sugerido de R$ 7,90 (livro ilustrado) - o envelope com cinco cromos sai a R$ 1,50. Uma novidade é a versão em capa dura. Outra boa notícia é que as lojas NBA Store vão vender kits exclusivos.

"Ficamos muito felizes com o retorno que tivemos dos fãs na temporada passada. O álbum é mais uma maneira da liga se comunicar com o seu público, tem um lado de entretenimento, diversão, de unir as pessoas, e é um passatempo que, há muito, não é apenas da garotada. Colecionadores de todas as idades, crianças, adultos, pessoas da melhor idade trazendo os netos, todos participaram de ações que promovemos ao longo do ano com o álbum, e vamos estar sempre alimentando essa paixão por figurinhas e pelo basquete", disse Sérgio Perrella, Diretor de Licenciamento e Varejo da NBA no Brasil.

A capa do álbum desta temporada tem Giannis Antetokounmpo (Milwaukee Bucks), Kawhi Leonard (San Antonio Spurs), John Wall (Washington Wizards), James Harden (Houston Rockets), Stephen Curry (Golden State Warriors) e Russell Westbrook (Oklahoma City Thunder). Na quarta capa, estão os escudos das 30 franquias, divididos nas conferências Leste e Oeste. Cinco brasileiros estão confirmados na temporada 2017-2018: Nenê Hilário (Houston Rockets), Bruno Caboclo e Lucas ‘Bebê’ Nogueira (Toronto Raptors), Cristiano Felício (Chicago Bulls) e Raulzinho Neto (Utah Jazz).

Divulgação
Figurinha de Cristiano Felício
Figurinha de Cristiano Felício

Junto ao lançamento, NBA e Panini prepararam uma surpresa para os colecionadores, que terão também a opção de adquirir kits de figurinhas com cards oficiais da coleção americana especialmente selecionados para o público brasileiro, cards* estes que serão distribuídos aleatoriamente como brindes nos kits especiais.

KITS

Kit GEEK POINT E FÃ SHOP 20 envelopes + álbum + 3 cards Grátis Preço: R$ 37,90

Kit LIVRARIAS / BANCAS 10 envelopes + álbum Capa Dura Preço: R$ 49,90

Kit REVISTARIA 11 envelopes + 20 figurinhas avulsas Preço: R$ 15,90

Kit EXCLUSIVO NBA Store 30 envelopes + 3 cards Grátis Preço: R$ 45,00 50 envelopes + álbum Capa Dura + 3 cards Grátis Preço: R$ 99,90 (a partir de 19/11/2017)

Kit LOJA VIRTUAL PANINI Disponível loja online PANINI (loja.panini.com.br) 50 envelopes + álbum Capa Dura + 3 Cards Grátis Preço: R$ 39,90 20 envelopes + álbum + 3 Cards Grátis Preço: R$ 37,90 30 envelopes + 3 Cards Grátis Preço: R$ 45,00

* Os cards NBA 2017-2018 encontrados nos kits promocionais são caracterizados como brindes, distribuídos aleatoriamente e não fazem parte da coleção oficial de figurinhas NBA lançada pela Panini Brasil. Não será possível solicitar cards faltantes pelo serviço de atendimento ao colecionador Panini, apenas figurinhas do álbum.

FICHA TÉCNICA Lançamento: 17 de novembro de 2017 Formato: 232 x 287 mm Estrutura: Capa + 72 páginas Distribuição: Nacional Preço do livro ilustrado capa brochura: R$ 7,90 Envelope com 5 cromos: R$ 1,50 Lançamento Nacional

Reinando a distância, LeBron trona em Nova York

Pedro Suaide, especial para o ESPN.com.br

Relembre as históricas atuações de LeBron James no Madison Square Garden, a 'Meca' do basquete

Sabe aquela pessoa que você odeia? Te irrita, deita e rola em você, te cutuca; você não deixa barato e olha feio, empurra, fala pra não chegar perto; mas no fim de tudo, vocês namoram pelo olhar. E já é assim há 15 anos, e vocês gostam. Sempre tem aquele sonho distante da união, mas vocês tem outros amores e esse é tesão - e assim está ótimo; amor e ódio. LeBron James e os Knicks. 

LeBron James se auto-intitulou ‘rei de Nova York’. E tudo indica que realmente seja. Tão rei que é, LeBron - sem ninguém perguntar - opinou sobre o futuro que o antigo presidente (Phil Jackson) proporcionou aos Knicks. Disse que Dennis Smith Jr., calouro, deveria ser um Knick. No draft desse ano a equipe escolheu Frank Ntlikina, aposta vinda do distante reino da França, ao invés do ‘apadrinhado’ de LeBron, que foi para Dallas e está chamando atenção. Tão rei da cidade que é, LeBron não agrada a todos. Enes Kanter não gostou da declaração e defendeu seu companheiro francês. Tão rei que é, LeBron foi à batalha e mostrou sua dominância. Confrontou, venceu e reafirmou seu status de rei. O turco, entretanto, disse que o rei da cidade é um letão de 2,21m: Kristaps Porzingis.

Kanter toma as dores de Ntilikina e tem discussão forte com LeBron durante Knicks x Cavs

Rei, como é, LeBron é homenageado na cidade. Propagandas dele tomam, muitas vezes, mais espaços públicos do que o time em si. Célebres cidadãos, como o rapper Jay-Z, já o homenagearam em letras populares (no caso, cita o camisa 23 no mesmo verso de seu fiel escudeiro Dwyane Wade, basicamente pedindo para que Jesus banque a mudança do craque para o Brooklyn, na música Empire State of Mind). E ele, bom rei que é, não se esquece de homenagear a cidade também. Assim sendo, afirmou que o Madison Square Garden é seu playground favorito!

Mas, a questão maior é que LeBron reina de longe. Aparece em seu castelo, o Garden, a ‘Meca’, normalmente de uma a duas vezes por ano. Quando os Knicks estão merecendo, ele retorna nos playoffs. O grande ponto é que ele é memorável. Ele é um rei como qualquer outro; alguns amam, outros odeiam, certas pessoas admiram e existem as que sintam nojo. Seu diferencial é que todos desejam suas visitas - e ninguém esquece dele nem delas. Rei como é, deixa uma marca - de amor ou de crueldade, escolha você como quer ver - cada vez que passa pelo castelo.

 

E jogando no Garden, ginásio que, como disse Jordan ‘é o lugar para mostrar todo seu talento’, LeBron mostra há tempos. Em 2008, ainda um rei sem título, teve uma histórica performance de 50 pontos, 8 assistências e 10 rebotes. No ano seguinte, 2009, assustou mais ainda os locais, com 52-9-11. Mudou-se de Ohio para a Flórida e logo retornou ao seu castelo em 2010 - e seguiu mostrando que, bem, essa é sua casa: 32-11-10. Ainda afirmou: ‘Não há um holofote que não aguente’.

Em meados de 2015, a cidade apontou um novo rei, que na época mais parecia príncipe: Porzingis - ele veio do leste europeu com toda a desconfiança que um garoto recebe ao ter uma coroa lhe oferecida. Aos poucos aceitou o cargo, e hoje é rei, como disse o turco recentemente. Porém, LeBron, mesmo nunca morando em seu castelo, nunca abandonou o trono - e com o letão ganhando poder, em 2016, refrescou a memória da cidade: outro triplo-duplo (27-11-10).

NBA: melhores momentos de New York Knicks 101 x 104 Cleveland Cavaliers

Hoje, Porzingis está mais preparado para merecer sua coroa, mas o rei não parece querer largar o trono. Segunda-feira (14), LeBron viu todos tentarem fazê-lo de fraco. Ouviu as manifestações, foi vaiado e notou que estava perdendo. Até que se provou rei. 23 pontos, 12 rebotes e 9 assistências. Porém, maior que os números foi a atuação. Os Cavs chegaram a estar perdendo por 23 pontos. Os Knicks embalavam sequências longas de pontos e grandes atuações defensivas. Por alguns minutos, se mostraram prontos para sair do governo longínquo de LeBron. Mas, rei que é, comandou. E distribuiu o jogo para Korver dar tiros mortais no time de Nova York. E, como em um embate épico, no fim do duelo se viu cara a cara com o garoto letão que tenta dominar sua coroa. Faltava um minuto, placar empatado. Rei que é, foi impiedoso; como tem que ser.

3 pontos na conta dele. Anos de reinado ainda por vir. Uma lição para quem tenta desafiar o rei em seu castelo. Os movimentos separatistas seguem a todo vapor. O namoro por olhares, da mesma maneira, não para - e quem sabe algum dia não se torne amor. Hoje, entretanto, é apenas tesão. E até a próxima visita.

Mascote dos Bucks pega pesado em brincadeira com irmão de Lonzo Ball

ESPN.com.br
ESPN
Milwaukee Bucks 98 x 90 Los Angeles Lakers
Milwaukee Bucks 98 x 90 Los Angeles Lakers


A partida entre Milwaukee Bucks e Los Angeles Lakers era para ser um jogo normal. O que os visitantes não esperavam, porém, era a cena que o mascote da casa viria a protagonizar.

Antetokounmpo animal, recorde de Lonzo e mais; veja melhores momentos de Milwaukee Bucks 98 x 90 Los Angeles Lakers

Geralmente uma figura amável, Bango, como é conhecido, passou do limite da brincadeira. Antes da partida iniciar, o mascote dos Bucks pegou uma folha de papel e escreveu “LiAngo Ball is leading the Ball family in steals”. A frase, que pode ser traduzida para “LiAngo Ball está liderando as roubadas na família Ball”, faz referência a situação vivida pelo irmão do armador dos Lakers Lonzo Ball.


Apesar do erro de grafia no nome de LiAngelo, a frase pode ser compreendida por todos aqueles que acompanharam a situação vivida pelo irmão mais novo de Lonzo.

LiAngelo foi pego roubando um par de óculos Louis Vitton na China, onde a equipe da Universidade de Los Angeles (UCLA) estava para disputar algumas partidas. O armador, junto com outros colegas de time que estavam com ele, foi preso. Posteriormente, LiAngelo foi liberado após pagamento de fiança.

Apesar da brincadeira de mau gosto, Lonzo fez o primeiro triplo duplo de sua carreira na NBA e quebrou um recorde, tornando-se o jogador mais jovem a realizar esse feito (20 anos e 15 dias), com cinco dias a menos que LeBron James (em 2005, com 20 anos e 20 dias), antigo recordista.

Após quebrar recorde de LeBron, Lonzo Ball dispensa 'glória' do feito: 'Não me importo'


A atuação de Lonzo, porém, não garantiu a vitória dos Lakers. A partida, no geral, foi equilibrada. Antetokounmpo foi decisivo novamente e levou os Bucks a uma vitória por 98 a 90.

O que você faria para driblar o trabalho e ver seu ídolo? Um técnico da NBA já tentou ser expulso... a 'pedido' do chefe

Bob Harig, do ESPN.com*
Getty
Doc Rivers, técnico do LA Clippers, e sua história frustrada com Tiger Woods
Doc Rivers, técnico do LA Clippers, e sua história frustrada com Tiger Woods

O que você faria se, bem na hora do seu trabalho, um de seus ídolos estivesse na disputa de um importante torneio, perto de um título incrível? Pois teve técnico da NBA que já tentou ser expulso para deixar a quadra e acompanhar o ídolo na TV.

Doc Rivers, hoje treinador do LA Clippers, admitiu que tentou a “manobra” quando comandava o Boston Celtics. O objetivo: naquele momento, Tiger Woods jogava o Masters. Era a única maneira de assistir.

Durante entrevista coletiva na última semana, Rivers falou sobre o episódio. O pior é que a dica para tentar a expulsão foi do gerente geral dos Celtics, Danny Ainge. Vale lembrar que o destino da equipe já estava selado na temporada regular, então, o resultado não mudaria em nada a tabela de classificação.

Rivers acatou a sugestão de Ainge e, no início do terceiro quarto, gritou com veemência para um dos árbitros na expectativa de ser expulso. Para sua surpresa, nada aconteceu.

Mais tarde, ainda durante o jogo, enquanto um lance livre era cobrado, o juizão chegou perto de Rivers e admitiu: "Eu quero assistir ao Masters também."

Vale ver se Tiger Woods estará jogando da próxima vez que Rivers for expulso. Quem sabe ele consegue?

*O conteúdo original, em inglês, pode ser acessado em "Doc Rivers went to extraordinary lengths to watch Tiger at Masters".

Quem usou o tênis mais legal na semana de estreia da NBA?

Nick DePaula, do ESPN.com*

À medida que a semana de abertura da temporada da NBA começava a ser disputada, os jogadores atacaram com tênis novos e velhos, raros e obscuros, enquanto procuravam se destacar em quadra.

Encabeçada pela edição temática "Equality" LeBron James de seu 15º tênis no primeiro jogo da temporada, os jogadores fizeram declarações por meio de seus pés. O atacante do Houston Rockets, PJ Tucker, continuou sua tradição de usar exemplares caríssimos ou difíceis de encontrar, enquanto Jimmy Butler e DeMar DeRozan usavam edições personalizadas dos últimos modelos das marcas Jordan e Nike. Pelo terceiro ano consecutivo, Thabo Sefolosha saiu com um tênis de corrida Nike Air Max simples, que estreou em 1990, deixando todos perplexos.

Veja abaixo alguns dos tênis mais carismáticos da primeira semana da NBA e vote no seu favorito:

  • DeMar DeRozan

Nike Kobe AD PE

  • Draymond Green

Nike React Hyperdunk 2017 “Off-White”

  • James Harden

Adidas Harden Vol. 1 PE

  • Jimmy Butler

Air Jordan X PE

  • Jimmy Butler

Air Jordan XXXII Low “Breast Cancer Awareness”

  • Klay Thompson

Anta KT3 “Gold Blooded”

  • Kyle Lowry

Adidas Crazy Explosive Low

  • Kyrie Irving

Nike “What The Kyrie”

  • LeBron James

Nike LeBron 15 “Equality”

  • PJ Tucker

Nike LeBron X Elite “Champ Pack”

  • PJ Tucker

Nike Kobe 6 "All-Star"

  • Thabo Sefolosha

Nike Air Max 90

*O conteúdo original, em inglês, pode ser acessado em "Who had the best sneakers during NBA's opening week?".

mais postsLoading