VP da NBA na América Latina pretende expandir lojas pelo Brasil e quer fazer do NBB a 3ª maior liga do mundo

Gustavo Faldon, do ESPN.com.br
Divulgação/MPC Rio Comunicação
Arnon de Mello - vice-presidente da NBA na América Latina
Arnon de Mello - vice-presidente da NBA na América Latina

Durante o Jogo das Estrelas do NBB, no último domingo, no ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, Arnon de Mello - vice-presidente da NBA na América Latina - conversou com o ESPN.com.br para falar sobre o crescimento na audiência da liga norte-americana e os próximos passos da mesma em solo brasileiro.

Importante ressaltar que após presenciar o Jogo das Estrelas no domingo, a reportagem ficou impressionada com o nível de estrutura da organização, que atraiu diversos fãs, mostrou um bom nível de orientação dos funcionários e, o mais importante: teve como ponto forte o entretenimento.

O show do Jota Quest no intervalo foi a novidade que levantou o público. O torneio de enterradas, de 3 pontos, desafio de habilidades e das celebridades, além do jogo do NBB Brasil x NBB Mundo, foram recheados de ações no telão, entretenimento para o público e mostraram o patamar que a Liga Nacional de Basquete atingiu, quem sabe ditando o padrão para eventos esportivos futuros no Brasil. 

Enterradas de Westbrook, Nenê e Blake Griffin são destaques no Top 10 de sábado da NBA

Veja abaixo a entrevista com Arnon de Mello:

Há 3 anos, a NBA firmou uma parceria com a LNB e hoje estamos vendo que o NBB cresceu muito em termos de evento. No que a NBA mais contribuiu para isso?

É incrível ver como se desenvolveu o esporte, a categoria e o NBB nos últimos dois, três anos. Já vinham muito bem, mas eu acho que agora, com o apoio de grandes parceiros, assim como também da NBA, você ver hoje isso aqui...não perde para nenhum evento nos Estados Unidos, na América Latina com certeza. A nossa intenção, a gente tem deixado isso muito claro, é fazer com que o NBB seja a terceira liga mais importante do mundo. A gente acha que a NBA é a mais importante, a D-League será a segunda, e a terceira será a NBB. Com isso a gente espera que o basquete volte a ser segundo esporte no Brasil e eu acho que a gente está bem próximo disso.

Desde que abriu um escritório no Brasil, em 2012, a NBA também cresceu na cabeça dos fãs brasileiros. Fale um pouco sobre esse processo.

O crescimento você vê aqui. Muitas camisas da NBA. E esse é um ponto que eu bato muito com o pessoal da NBA lá fora. Como a gente não está lá dia a dia, o nosso fã precisa tocar no esporte. Ele está vendo na televisão, isso está claro. Ontem mesmo o Ibope mostrou um número incrível para a gente, que na TV fechada depois de futebol e automobilismo, a NBA é a liga com maior número de horas transmitidas, com ESPN e Sportv. Esse dado demonstra o crescimento. Há quatro anos a gente tinha um jogo na TV fechada e agora a gente tem 12 a 15 jogos por semana. Demonstra que o brasileiro está gostando e as audiências crescendo muito na ESPN e Sportv. Tá crescendo demais e a gente precisa estar mais presente. Como a gente não pode estar mais presente fisicamente, a NBB é o nosso braço pra gente poder tocar o nosso fã e conversar com ele.

Existe a possibilidade de um novo jogo aqui no Brasil, como tivemos em 2013,  2014 e 2015?

Todo ano a gente tem isso em vista, não só para o Brasil, mas também para o México, por exemplo. Esse ano nós tivemos dois jogos no México. É provável que volte com mais jogos de temporada regular no México. E agora eu respondo do México para baixo, então tem que olhar como um todo a região. É uma coisa que a gente sempre conversa, mas não é nossa única plataforma de ativação. Pelo contrário, agora mesmo, olhando para a TV aberta, além da fechado. Aumentamos demais nossa exposição com a ESPN, fomos de dois para cinco jogos por semana, isso faz uma diferença enorme. A loja abrindo no Brasil, estamos também expandindo com outras lojas, principalmente aqui em São Paulo, estudando muito esse mercado. Então, tem muitas outras formas de ativar.

Warriors em 1º, triplo-duplo de Harden e Cavs atropelados por Clippers; confira resumo da rodada

Apesar de alguns brasileiros veteranos estarem em baixa na NBA, uma nova geração parece estar surgindo. O quão importante é isso para a liga?

É muito importante (essa nova geração de brasileiros) e a NBA está olhando para isso. Estão abrindo academias em vários países. E eu falo lá que a nossa academia no Brasil é a NBB. E a gente tem visto, na média, sair um por ano, jogadores que jogaram ou na Liga Ouro ou na NBB, saindo, indo para o Draft. É daqui que estão se formando os novos talentos. Óbvio que a gente quer que muito talento fique aqui para a NBB, mas lógico que um não vai fazer tanta diferença. E a gente espera ter esse número de brasileiros na NBA para criar esses astros. Tem uma geração antiga, que está lá e a gente espera que fique. O Nenê, por exemplo, é um cara que está lá há 15 anos e continua jogando em alto nível. E tem essa nova geração que agora está começando a despontar. Você vai vendo que os jogadores, não só os brasileiros, precisam de dois, três anos, e aí começam a estar mais prontos para esse momento. Hoje o Lucas Bebê está nesse momento, Felício, Raulzinho, e o Caboclo um pouco atrás. E a gente está muito feliz com isso.

 

 

O que Westbrook NÃO precisa fazer para conseguir o histórico triple-double de média

Ricardo Zanei, para o ESPN.com.br
Getty
Westbrook: contagem regressiva para o recorde histórico na NBA?
Westbrook: contagem regressiva para o recorde histórico na NBA?

Uma das grandes histórias da temporada da NBA, talvez a maior delas, tem Russell Westbrook como ator principal. O filme: encerrar 2016-2017 com um triple-double de média.

Cabe o trocadilho: a saga é digna de Oscar. O único a ter conseguido tal feito foi Oscar Robertson, em 1961-1962. Ninguém antes, ninguém depois.

Mas aí Kevin Durant vai para o Oklahoma City Thunder, e Russ só tinha uma coisa a fazer: colocar a bola debaixo do braço e mandar no time. Um time, sim, só para ele. E foi isso que ele fez.

Westbrook x Harden, quem é melhor? Análise no 'NBA Countdown Brasil'

Fez tanto que, a 13 jogos para o fim da temporada regular, Westbrook tem 31,7 pontos, 10,5 rebotes e 10,3 assistências de média. Inacreditável.

A pergunta que fica martelando é: será que ele vai conseguir? Será? Será?

Tudo que é lugar, inclusive a ESPN, já fez trocentas contas mostrando o que ele precisa fazer para alcançar o recorde. Mas, mais curioso que isso, é notar o que ele NÃO precisa fazer nos últimos 13 duelos.

De diferentes ângulos, veja o passe surreal de Russell Westbrook contra os Raptors

🏀 Nenhum ponto. Sim, Westbrook não precisa marcar mais nenhum ponto na temporada regular para terminar com triple-double de média. Hoje, ele tem 31,7. Se não fizer mais nenhuma cesta até a partida derradeira da fase de classificação para os playoffs, ele terminará com 26,6 de média.

🏀 Double-double: ele não tem a necessidade de registrar mais nenhum double-double, no caso, contabilizando apenas rebotes e assistências.Os itens abaixo explicam:

🏀 Rebotes: a média nos últimos 13 confrontos precisa ser 7,3. Para isso, o total é 95.

🏀 Assistências: a média necessária na reta final é 8,2, 106 no total.

Resumindo: ele não precisa de pontos, nem double-doubles. 95 rebotes e 106 assistências em 13 jogos. Essa é a conta, essa é a matemática.

Será que ele vai conseguir? Será? Será?

Jantar interrompido de LeBron, 'ajuda' de Curry e mais: as reações da NBA aos 30 mil pontos de Nowitzki

ESPN.com.br
Veja o ponto de número 30 mil de Dirk Nowitzki

Dirk Nowitzki se eternizou na história da NBA na noite desta terça-feira ao se tornar apenas o sexto jogador a marca 30 mil pontos na liga - e apenas o terceiro a fazer isso por apenas uma franquia - na vitória do Dallas Mavericks sobre o Los Angeles Lakers, por 122 a 111. Jogadores e ex-jogadres, claro, não deixaram a marca passar em branco e mandaram os parabéns ao alemão. Veja:

LeBron James, do Cleveland Cavaliers

O astro gravou um vídeo no meio do jantar, no mesmo momento em que Nowitzki anotou a cesta histórica. "Tenho que interromper o jantar, espero que a família não se importe, mas tenho que parabenizar Dirk Nowitzki, por marcar 30 mil pontos. Estou assistindo ao jogo agora, parabéns! 30 mil!", disse o ala dos Cavs, que foi derrotado pelos Mavs nas finais de 2010/11, atuando pelo Miami Heat. "Não tinha como eu perder esse momento. Parabéns! Espero que possa alcançá-lo um dia", seguiu.

Steve Nash, ex-armador - chegou aos Mavericks com Nowitzki em 1998

"Grandes parabéns ao meu parceiro Dirk! 30 mil! Apenas seis jogadores na história do esporte marcaram 30 mil pontos. Neste dia em 1998 nunca imaginaria que você ainda estaria com os Mavs, seria MVP, campeão da NBA e no clube dos 30 mil não importa quantas noites voltemos ao ginásio para um 1 contra 1 e batalhas de arremesso. Irreal, histórico, jogador decisivo e melhor pessoa", postou o canadense, com uma foto da chegada dos dois aos Mavs, no Instagram.

Kobe Bryant, ex-jogador

"Parabéns, Dirk, você é um verdadeiro grande", escreveu o astro, recém-aposentado, no Twitter

Stephen Curry, do Golden State Warriors

"Tiro o chapéu para Dirk pelos 30 mil nesta noite. Feliz em saber que contribui para algumas dessas cestas", escreveu o armador no Twitter, com uma foto de uma tentativa frustrada de marcar Nowitzki.

Seth Curry, irmão de Stephen e companheiro de Nowitzki nos Mavs

"30 mil são MUITAS cestas! Como você diz nos treinos: ‘Eu arremessava por cima do seu pai, eu arremesso por cima do seu irmão e agora estou arremessando por cima de você!' Parabéns, Dirk! Lenda!", escreveu no Instagram.

Dallas Mavericks

A própria franquia, em sua conta oficial no Twitter, preparou uma homenagem especial para os 30 mil pontos de Nowitzki, com mensagens gravadas por compatriotas alemães do jogador, incluindo, por exemplo, Hummels e Boateng, do Bayern de Munique; e Toni Kroos, do Real Madrid

Michael Finley, ex-companheiro de Nowitzki nos Mavericks

"Quem poderia imaginar que essa criança que carreguei por uma temporada se tornaria o melhor jogador da história dos Mavs. Orgulhoso de você, irmão", escreveu no Twitter.

 

Curry em top 10, Nowiztki nos 30 mil e recorde de triple-doubles; o que há na semana da NBA

Antônio Strini, do ESPN.com.br
Noah Graham/NBAE via Getty Images
Stephen Curry Arremessa Warriors Clippers NBA 28/01/2017
Stephen Curry arremessa de três durante Warriors x Clippers

Os próximos sete dias da NBA prometem emoções fortes.

Afinal, um recorde pode ser batido, um lendário alemão deve entrar em (outro) seleto grupo e a metralhadora de bolas de três da liga está próxima de um top 10.

O blog utiliza o ESPN Stats & Info para os números desse post.

Na onda do Oscar, veja as cinco melhores performances de atletas em filmes

Do alto de seus 28 anos, Stephen Curry entrará na lista dos dez maiores arremessadores de três da história da NBA. O armador do Golden State Warriors tem hoje 1.824 cestas feitas, três atrás de Kobe Bryant (11º) e a seis de Chauncey Billups (10º).

Será que ele já será um top 10 hoje, diante dos 76ers na Filadélfia?

Getty
Dirk Nowitzki está próximo de chegar a 30 mil pontos na NBA
Dirk Nowitzki está próximo de chegar a 30 mil pontos na NBA

Dirk Nowitzki, o maior estrangeiro da história da liga, está a 67 pontos de alcançar a marca de 30 mil pontos na carreira. Com quatro jogos nesta semana, o ala-pivô do Dallas Mavericks tem uma boa chance de juntar-se a Kareem Abdul-Jabbar, Karl Malone, Kobe Bryant, Michael Jordan e Wilt Chamberlain na seleta lista.

Enquanto isso, o recorde de triple-doubles em uma temporada está logo ali.

Enterradas ferozes de Jordan, Griffin e Westbrook são destaques no Top 10 da rodada da NBA

Em 2016/17, já são 74 vezes que os jogadores da NBA alcançaram os duplos dígitos em três estatísticas - a última com a máquina Russell Westbrook -, e a melhor marca (78), pertencente à temporada 1988/89, não deve durar muito.

Segundo o ESPN Stats & Info, caso a atual média seja mantida, o atual campeonato chegará a incríveis 103 triples-doubles!

Outra marca redonda que pode ser alcançada nos próximos dias é de Mike D'Antonio, hoje técnico do Houston Rockets: 500 vitórias na carreira.

Novo triple-double de Westbrook e Celtics mantendo perseguição aos Cavs: veja tudo da rodada da NBA

Está a três triunfos de se tornar o 30º treinador a alcançar tal feito.

Dentre os técnicos em atividade, D'Antoni está atrás de Gregg Popovich (1.134), Doc Rivers (789), Rick Carlisle (684) e Nate McMillan (508).

Seis times da NBA já vieram observar Georginho e Lucas Dias neste ano

Gustavo Faldon, do ESPN.com.br
NBB
Lucas Dias marcou 31 pontos contra o Flamengo
Lucas Dias marcou 31 pontos contra o Flamengo

Revelações do Pinheiros e atualmente no Paulistano no NBB, o armador Georginho (20 anos) e o ala Lucas Dias (21) são vistos como grandes promessas do basquete brasileiro. E não só em solo nacional que existe essa expectativa.

NBB
Georginho em ação pelo Paulistano
Georginho em ação pelo Paulistano

Na surpreendente vitória do Paulistano diante do Flamengo na última quinta-feira, pelo NBB, enquanto Lucas Dias anotava seus 31 pontos, um olheiro do Houston Rockets estava nas arquibancadas do ginásio do clube de São Paulo.

O funcionário da franquia do Texas, de James Harden e Nenê Hilário, segundo apurou o ESPN.com.br, não é o primeiro a vir para o Brasil ver as duas promessas do Paulistano.

Desde o começo do ano, já são seis times da NBA que enviaram olheiros para ver Georginho e Lucas Dias: Milwaukee Bucks, Los Angeles Lakers, Boston Celtics, Oklahoma City Thunder e Atlanta Hawks.

Nas próximas semanas, um olheiro do Utah Jazz está programado também para assistir os dois em ação.

Kerr revela derrota que mudou temporada dos Warriors e fala de entrosamento entre Curry e Durant

Ambos chegaram a se inscrever para o Draft de 2015, mas retiraram seus nomes antes do limite para seguirem elegíveis. Georginho, nascido em 1996, ainda está elegível para entrar na fase de recrutamento, enquanto Dias, de 1995, não pode mais ser draftado, mas pode ser contratado por qualquer time.

Durante atividades pré-Draft em 2015, a mídia norte-americano exaltou Georginho pelo tamanho de sua mão e atleticismo para um armador.

Cavs batem Knicks, Cousins perde na estreia e Warriors viram sobre Clippers: resumo da rodada da NBA

Lucas Dias está com médias de 10,7 pontos e 3,9 rebotes em 19,9 minutos pelo Paulistano neste NBB. Georginho faz 11,9 pontos, 4,3 rebotes, 4,2 assistências e 1,2 roubos por partida.

mais postsLoading