Fernando Meligeni

Fernando Meligeni

Ex-tenista, chegou ao 25º lugar no ranking, foi semifinalista em Roland Garros e derrotou Pete Sampras. Hoje, é comentarista de tênis da ESPN

Sinal de alerta! Hoje, jogo de Nadal respira por aparelhos

Fernando Meligeni, blogueiro do ESPN.com.br
Getty
Nadal se despediu de Barcelona
Nadal caiu em Barcelona para Fognini: sinal de alerta ligado mais uma vez

Perder na semifinal de Montecarlo para Novak Djokovic é um resultado muito normal. Em ótima fase, o sérvio ganhou e mostrou que é superior hoje. Mesmo assim, pipocaram teses de que Rafael Nadal voltaria forte e que seu jogo estava evoluindo.

Mas agora Nadal perdeu em Barcelona, quintal de sua casa, cidade onde venceu tanto, sempre joga motivado e na qual queria provar ao circuito que pode até perder para Djokovic, mas que ainda domina os outros jogadores.

No entanto, vimos um Nadal lento, errando muito e perdido taticamente. A segunda derrota para o italiano Fabio Fognini machuca demais. Percebi que ele não se encontra em quadra quando percebe que suas bolas estão curtas.

Como disse na semana passada, ao mudar de raquete e tentar ter no equipamento mais potência, ele perdeu a simplicidade de não pensar para jogar e deixar seus golpes irem onde sua percepção manda.

Perder em Barcelona não muda em nada o ano dele, mas liga mais uma vez o sinal de alerta. Mais uma vez, Nadal tem que dar explicação que parece que ele mesmo não consegue. Ou não a tem.

Faltam poucos torneios para Roland Garros, e esses torneios serão determinantes para que a confiança e, muito mais do que isso, o jogo do espanhol voltem a dar sinal de vida. Hoje, ele (seu jogo) respira por aparelhos.

Menos, Verdasco! Sou a favor da 'loucura jovem' em quadra

Fernando Meligeni, blogueiro do ESPN.com.br
EFE/Andreu Dalmau
Andrey Rublev Rebate Fernando Verdasco ATP 500 Barcelona 21/04/2015
Andrey Rublev ignorou chiadeira de Verdasco: 'Não deve ser fácil perder para um jovem'

As polêmicas entre jovens tenistas e os mais experientes são conhecidas e sempre muito divertidas, além de ásperas.

Mais uma vez, um jovem, agora o russo Rublev, de 17 anos e número 1 do mundo juvenil, e um jogador rodado, o espanhol Fernando Verdasco, protagonizaram um bate boca depois do jogo.

Ao ser surpreendido pelo jovem e ter perdido em um dos torneios mais importantes do ano para os espanhóis, Verdasco 'desceu a lenha' no garoto dizendo que ele não tem educação e respeito em quadra.

Antes de dar algum tipo de opinião, queria lembrar alguns casos. Quem não se lembra do Rios mostrando a língua ao Sampras em Roland Garros em uma clara tentativa de imitar o então número 1 do mundo; ou quem não viu o Coria ou o querido Hewitt entre outros jovens que 'aceleravam' ao jogar seu primeiro ano de profissional?

Os jovens tenistas que ainda jogam juvenil têm uma característica bem agressiva, e as tais regras de conduta do profissional eles nem conhecem. No juvenil, vemos a molecada gritando VAMOS em todos os pontos, encarando adversário, discutindo muita bola, olhando o tempo todo para fora e muitas outras coisas limadas com o passar do tempo. Com a maturidade, eles entram na regra do profissional e sua tal ética. Alguns aceitam e vivem mais tranquilos, outros não querem nem saber e são bem criticados no circuito. Coisas de circuito.

Sinceramente, sou a favor do tenista ser como ele é. Existe a educação, mas não preciso dizer que os russos são explosivos, diferentes e divertidos em quadra. Não acho que depois de uma derrota, um cara experiente como o Verdasco precise falar tão pesado com o moleque. Ele já foi juvenil e sabe que com o passar dos jogos ele vai entender como o circuito é e se ele quer ou não se adequar a ele.

EFE
Fernando Verdasco durante a partida contra Andrey Rublev em Barcelona
Fernando Verdasco se irritou com Rublev

Lembro que joguei no Chile com o Rios quando ele tinha uns 16 ou 17 anos, e ele fez de tudo em quadra. Olhou com desprezo para mim, falou na virada, gritou na minha cara e no final ganhou o jogo. Realmente, dá vontade de dizer um monte de coisas, mas, ao invés disso, o melhor é entender que nossa regra não é a correta ou a única.

Temos que parar de ser tão quadrados e viver em uma bolha achando que tudo só tem uma maneira. O mundo mudou, e o circuito tem caras como Federer, Djokovic, Fognini, Bellucci ou Bagdhatis. Todos bem diferentes.

Pena ter que falar disso aqui no blog.

O que temos que falar é que existe uma nova geração que joga demais, e esse garotão que deixou o Verdasco maluco é um dos melhores que estão chegando.

Que venham os Rublev, Zverev, Coric e cada um com sua loucura e característica.

Na nova temporada do 'Entrando de Fininho', recebo o ex-nadador Xuxa

ESPN.com.br

O 'Entrando de Fininho' está de volta. No primeiro episódio da nova temporada, Fernando Meligeni conta com a participação Fernando Scherer, o Xuxa, ex-nadador e medalhista olímpico. Assista ao vídeo!

622 1525fb0d ae89 3cb0 8adc 5cbb7eee4923
Entrando de Fininho: Meligeni recebe o nadador e pai orgulhoso, Xuxa

Teliana merecia demais conquistar um título de WTA. Parabéns!

Fernando Meligeni, blogueiro do ESPN.com.br
EFE/LEONARDO MUÑOZ
Teliana Pereira WTA Bogota Final 18/04/2015
Teliana Pereira foi campeã do WTA de Bogotá, na Colômbia

A brasileira Teliana Pereira conquistou um WTA incrível esta semana vencendo grandes tenistas e mostrando uma firmeza impressionante e uma frieza de tenista top.

Ao vencer um WTA, ela deixa seu nome para sempre como um jogadora top. Quando começamos a jogar sabemos que é bem diferente ser profissional e parar de jogar sem um título grande ou no caso dela ser campeã de um WTA. No circuito esse respeito existe e todos ou todas te respeitam mais.

Pela história, pela atitude ela merece muito. No passado, rifava coisas para poder viajar e se alguém tem mérito pela sua conquista esse alguém é seu irmão e sua família.

Não sei para que ranking ela vai, mas se souber aproveitar o momento tem tudo para ter uma carreira incrível a partir de agora.

Parabéns, Teliana. Que seu sorriso e simplicidade motive as meninos do nosso país.

Qual é o top 10 dos maiores treinadores da história do tênis? Esta é a minha lista

Fernando Meligeni, blogueiro do ESPN.com.br
Julian Finney/Getty Images
Brad Gilbert ATP Finals 07/11/2013
Para mim, Brad Gilbert é o maior treinador da história do tênis

O amigo Marcelo Micheluchi me passou uma matéria que fala dos 10 melhores treinadores nos últimos 20 anos.

Sempre é muito difícil falar em melhores porque cada um tem sua análise e pensamento. Mesmo assim vou tentar fazer um exercício e colocar aqui. Convido a todos que quiserem debater, participar e logicamente colocar sua lista

A lista do Alejandro Arroyo é a seguinte. Ele não colocou um ranking, e sim uma lista:

- Annacone (Sampras, Henman e Federer)

- Larry Stefanki (McEnroe, Rios, Roddick, Gonzales e Kafelnikov)

- Perlas (Moya, Costa, Ferrero, Lopez e hoje Fognini)

- Rasheed (Hewitt, Tsonga, Monfils e hoje Dimitrov)

- Norman (Johanson, Soderling e hoje Wawrinka)

- Cahill (Agassi e Hewitt)

- Lendl (Murray)

- Tony Nadal (Nadal)

- Vajda (Hrbaty e Djokovic)

MINHA LISTA. TOP 10

10. Tom Gulikson (treinador do Sampras)

9. Cahill

8. Peter Lundgreen

7. Tony Nadal

6. Magnus Norman

5. Stefanski

4. Perlas

3. Annacone

2. Lendl

1. Brad Gilbert

mais postsLoading
Publicidade
Alertas
Não perca nada do que está acontecendo no mundo do esporte!Com o ESPN ALERTAS, você receberá notificações no seu navegador sobre as últimas notícias, eventos exclusivos e muito mais!